Tico-tico no Fubá – a 25ª rodada do Brasileirão

Tico-tico no Fubá – a 25ª rodada do Brasileirão
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Petros foi um dos personagens mais marcantes da 25ª rodada do Campeonato Brasileiro (Foto: Daniel Vorley/AGIF)

Majestoso termina em falatório, Botafogo bate o Coxa em jogo épico no Alto da Glória e Vitória demite técnico em Minas; confira os detalhes da 25ª rodada do Campeonato Brasileiro

A RISE Esportes anuncia a cobertura semanal da rodada do Campeonato Brasileiro. E não poderia haver momento melhor para iniciar nossas análises do que a virada para o segundo turno, momento em que os treinadores param de dar migué para poupar atletas que ganham pelo menos 5 dígitos mensais e precisam dar jeito em suas equipes (ok, deveria ter sido feito desde o início, mas falar é fácil, não é mesmo?).

Sem mais delongas, vamos aos destaques da rodada:

São Paulo x Corinthians – Falar menos e jogar mais

Antes de falar sobre o jogo, não posso deixar de comentar que acompanhei o debate idiota desnecessário em um canal de TV por assinatura sobre qual dos times precisava mais da vitória. Bom, não sou eu que irei solucionar a questão – até porque ela não faz o menor sentido. Apenas quis pontuar que a discussão não tinha a mínima relevância. Enfim, segue o jogo.

O subtítulo parece maldade com o São Paulo – e é. Afinal, o time tentou utilizar a atmosfera do Morumbi lotado (aliás, recorde de público do Brasileirão) e iniciou os trabalhos pressionando o Corinthians, como bons donos da casa que eram. E, principalmente, mostrando que o nível técnico entre o líder (que possui 10 pontos a mais que o segundo colocado) e o 17º colocado não é tão grande assim. A rivalidade aproxima o nível das equipes? Sim. O Corinthians preferiu esperar™ o SPFC? Sim. De qualquer forma, o Timão anda devendo no segundo turno.

De modo geral, o Tricolor jogou bem mais do que o Corinthians. Mas a taça de campeão brasileiro exige que você vença (ou empate) jogos mesmo sem jogar bem. Impressiona a capacidade do alvinegro de correr atrás do prejuízo – que foi o que o time precisou fazer para pontuar ontem. O resultado foi muito comemorado pelo técnico Fábio Carille.

Sobre o subtítulo: a questão é que o São Paulo tomou o empate por uma falha individual – e qualquer opinião diferente disso é mero clubismo. E tudo bem (ok, não tanto assim para os torcedores do Tricolor do Morumbi), acidentes acontecem. É um fato que, no futebol de hoje, no qual o xadrez tático é intenso, as partidas serão decididas cada vez em cima dos erros individuais dos jogadores (aliás, tem um material bom que fizemos em formato de podcast sobre o assunto na longínqua final da Copa das Confederações). A partir de agora, estes erros tendem a ser mais destacados porque o futebol está dando uma guinada tática – e as novas gerações de aficionados terão esses preceitos como algo nativo.

Mas Petros, autor do gol do SPFC, comentou em entrevista na beira do gramado que o time havia sido prejudicado pela arbitragem. Não deu para entender, pois, a não ser que o volante esteja tomando as dores do Vasco, na última rodada, não fez sentido.

Coritiba 2×3 Botafogo – Quem é que para o Botafogo?

O Botafogo segue sua caminhada épica, agora, no Brasileiro (Foto: Reprodução/YouTube)

O Botafogo anda na linha tênue entre a revolta da torcida pelo tempo de fila e a glória das campanhas sensacionais conduzidas pelo técnico Jair Ventura. E o jogo de ontem foi a síntese disso. Depois de ter virado o jogo, o time tomou o empate, em falha do pequeno gato Fernández – que já havia, ADIVINHEM, pegado pênalti. Mas com contornos épicos, o Glorioso retomou a frente no placar.

Um mea-culpa: no texto que tratava sobre a eliminação da Taça Libertadores e do panorama do time para o restante da temporada, este que vos fala criticou a Joãopaulodependência (não é tão ridículo quanto parece). O fato é que no texto eu criticava a utilização de JP naquela posição – que deveria ser a mais criativa do time. E quem aparece no jogo de ontem para garantir a vitória do time da Estrela Solitária? Ele Azaian, uuuhl!, o belo João Paulo.

O Botafogo é um dos destaques  da rodada. Recomendo que cliquem na análise mais aprofundada sobre o jogo para saber mais sobre a partida.

Atlético-MG 1×3 Vitória – E ele disse adeeeeeeeus

O herói da partida (Foto: Mauricia da Matta/EC Vitória/Divulgação)

Micale nem bem chegou e já está de saída. A derrota de ontem para o Vitória no Horto deu números finais à sua curta passagem pelo clube. Não é segredo para ninguém que Rogério Micale era uma aposta – tendo por consequência um perfil completamente diferente do desejado pela diretoria. Escolhas equivocadas à parte, desde a eliminação na Libertadores o Galo encontra os mesmos problemas: falta de organização e boatos de que falta comprometimento do elenco e incapacidade de impor seu mando de campo são recorrentes. E ontem essas falhas saltaram mais uma vez. E o Vitória de Vágner Mancini soube explorá-las muito bem.

O personagem da partida foi o centroavante Santiago Tréllez. O matador colombiano, que já vinha fazendo gols importantes, ontem fez um GOLAÇO em cima de Victor. Por cobertura, no melhor estilo “quadrado + L1”, Tréllez fez um gol requintado que assinou a demissão de Micale.

Neílton, que também tem sido protagonista, deixou o seu para o Leão da Barra. A tendência agora é que o Vitória ganhe consistência depois de ter achado seu estilo de jogo. Contra o Botafogo na próxima rodada, o rubro-negro baiano pode se dar bem se souber usar suas melhores armas.

Tico-tico no Fubá – outros jogos relevantes do final de semana

Flamengo 1×1 Avaí – O Avaí segue fazendo uma campanha justa no segundo turno do Campeonato Brasileiro. Desde a derrota por 5 a 0 para o Atlético-PR fora de casa na 18ª rodada, o time da Ressacada não perde: são 7 jogos de invencibilidade, com 3 vitórias e 4 empates. Parece uma campanha esquisita, mas o Avaí bateu concorrentes diretos na briga pelo rebaixamento (pelo menos na época) – Chapecoense, Sport e Vitória. O time tem ainda a segunda melhor campanha do returno. E embora o Flamengo tenha utilizado uma escalação bastante alternativa, o time voltou a apresentar problemas da época de Zé Ricardo. Se você é flamenguista, confira a cornetada de Roberto Accioly, colunista do rubro-negro.

matheus-savio-e-everton-ribeiro-observam-a-bola

Os dois extremos técnicos do Flamengo em uma foto (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

A Chape resolveu dar uma sacaneada na RISE Esportes reagir depois do texto do Matheus Quintan, que questionava as prioridades do clube, e vem fazendo uma campanha de recuperação até certo ponto surpreendente. Ontem no Índio Condá, a equipe derrotou a Ponte por 1×0 e afundando mais um concorrente na briga pela vaga na Série A. O gol foi um balaço do meio da rua de Lucas Marques – mas o goleirão aceitou.

Santos e Grêmio alternaram-se entre a segunda e a terceira posições. Os clubes tiveram resultados relativamente normais. O Peixe venceu o Atlético-PR na Vila por 1×0. E o Grêmio foi à Fonte Nova ser garfado pelo juizão e perdeu para o Bahia (Bora Baêa!) por 1×0 com gol de pênalti duvidosíssimo concluído por Rodrigão.

O Cruzeiro não fez mais que sua obrigação ao bater o lanterna Atlético-GO lá na capital goiana por 2×1 (obrigação que outros times não fizeram, diga-se de passagem). O Cruzeiro utilizou um time misto, com o claro objetivo de poupar o time para a final da Copa do Brasil. O bom desempenho de Arrascaeta e Rafael Sóbis, autores dos gols, inflamam ainda mais a torcida celeste pelo título. O Dragão, que vinha quietinho diminuindo a distância para os rivais, infelizmente continua na última colocação.

Quem não fez o dever de casa foi o Fluminense, que perdeu no Maracanã para o Palmeiras e continua levando de maneira modorrenta a campanha no campeonato – à exemplo da última temporada. A venda de Richarlison e o infortúnio de Abel Braga parecem claramente ligados à queda de desempenho do tricolor carioca. O clube, que se classificou na Sul-Americana, ainda sonha com título na temporada. Mas vai precisar jogar bem mais. O gol do Palmeiras foi num chute de fora da área do criticado lateral Egídio. O resultado diminuiu a distância do Verdão para o Corinthians. O mundo dá voltas…

* Lembrando que ainda hoje o Sport (15º) enfrenta o Vasco (10º) na Ilha do Retiro. Uma vitória faria o Leão subir 6 posições na tabela e o colocaria na 9ª colocação – mesma posição que o Machão da Gama assumiria caso vença ou empate. E aí, vai dar Sport ou Vasco? Casaca!


O Tico-tico no Fubá foi uma alcunha dada ao estilo de jogo de um time do America-RJ que atuou em meados da década de 40 e 50. Os jogadores de ataque, conhecidos como a mini-linha, tinham estatura baixa, trocavam passes rápidos e faziam jogadas plásticas – o que os tornava dificílimos de serem marcados. Guardadas as devidíssimas proporções, era o “tiki-taka” da época.


 

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Eduardo Ramos

Eduardo Ramos

Publicitário louco por esporte, em especial o bretão, e praticante de qualquer modalidade - não necessariamente bem. Defende a existência dos Estaduais, mas não levanta a bandeira contra o futebol moderno. Tentou fugir da tarefa de escrever sobre o clube de coração, mas o destino (vulgo necessidade) bateu na porta. Tenta enxergar o jogo por suas diversas nuances - visceral, cultural e mercadológica. Fala de si mesmo na 3ª pessoa. Jornalismo, qualquer dia tamo aí.



Related Articles

Copa do Brasil: Cruzeiro e Paraná vencem fora e abrem vantagem na quarta fase

Cruzeiro deu grande passo rumo à classificação no Morumbi (Foto: Agência Estado) Mineiros usam “lei do ex” para bater tricolor

Em Minas, não é só a taça que está em jogo

Após 2 anos, Cruzeiro e Atlético-MG voltam a se enfrentar pelo título estadual (Foto: Washington Alves/Cruzeiro) O título estadual coroará

Força e Evolução

Guerrero assume mais uma vez a responsabilidade e decide para o Flamengo (Foto: Ricardo Moraes/REUTERS) Flamengo supera nervosismo, não se

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido