Premier League – Rodada 4: pontos fora da curva?

Premier League – Rodada 4: pontos fora da curva?
FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Algumas coisas precisam ser revistas para os Reds conseguirem chegar longe esse ano (Foto: Reprodução/Premier League)

Os Citizens passaram o trator em cima do Liverpool em Manchester e quebraram algumas análises de pré-jogo

Manchester City x Liverpool

Há pouco tempo atrás, no período de pré-temporada, fiz uma prévia aqui botando o Liverpool como provável campeão inglês. Não que tenha mudado alguma projeção. Mas ontem os Reds fizeram o favor de desanimar a torcida apaixonada de Anfield.

O jogo foi um passeio.

O fato de o placar ter sido um 5 a 0 acachapante nem é o pior dos problemas. Muitas vezes, em jogos que são pontos fora da curva, acontece esse tipo de coisa. Alguns esquadrões campeões às vezes sofrem com esses jogos esporádicos. Mas esse pode não ter sido o caso do Liverpool.

Klavan e o problema defensivo

O time estava bem. O jogo, dentro do Ettihad Stadium estava propício para mais uma vitória em clássicos. Com o esquema habitual, Klopp depositou mais uma vez sua confiança em suas válvulas de escape. Mané e Salah deram trabalho na cobertura dos laterais na parte inicial do jogo. Ainda assim, mesmo mais consistente, o Liverpool saiu atrás no placar. Kun Aguero abriu o placar pouco depois da metade do primeiro tempo.

E aí veio o desastre: Sadio Mané e o cartão vermelho. O jogador mais vertical e eficiente estava fora. Com 10 em campo, a consistência do time vermelho se transformou em total complicação tática. Um problema sério se escancarou: o Liverpool não consegue jogar sendo pressionado a todo momento.

Klavan não pode ser titular de um time desse tamanho. Klavan não pode ser titular de um time grande de Premier League. Na dupla de zaga com o seguro Matip, o cara acabou com qualquer possível atuação minimamente segura. Logo no primeiro gol, antes de estar desfalcado numericamente, Klavan já errou o básico do fundamento de linha de impedimento. A linha saiu para não deixar Aguero fazer o facão e entrar na área. Klavan foi o único desalinhado. Gol dos Citizens.

gabriel-jesus-comemoração-gol-contra-liverpool

Alô, mãe! Pergunta lá se anotaram a placa (Foto: Reprodução/Premier League)

Além disso, com um a menos, a linha de meio precisava de mudanças. Tudo bem que Klopp não é muito flexível para mudanças em seu esquema, principalmente quando está dando certo. Mas era a hora de alterar. Com um a menos, numa posição importante dentro da recomposição, a linha de meio precisava de reforço. Do seu lado, Mané cobria a saída de Emre Can. Sem ele, Can ficou sobrecarregado e preso. Com isso, todo o lado esquerdo dos Reds morreu.

E aí Guardiola brincou. Jesus e Sané marcaram os outros 4 gols, dois cada um.

A questão toda gira em torno da previsão do cenário de crise. Esse tipo de situação tem que estar prevista. Não estando, os 5 a 0 são mais que normais em um jogo desses.

Arsenal x Bournemouth

Palmas para Wenger

Desde sempre peço aqui a saída de Wenger do Arsenal. A vontade de ver os Gunners com um novo coach é imensa – e creio que não seja diferente por parte dos torcedores. A era do técnico francês já passou.

Mas o mais certo a se fazer em um momento de acerto é reconhecê-lo. E ontem Wenger acertou. A mudança de esquema foi agressiva. De um 4-2-3-1, o time mudou para um 3-4-3.

As leituras dos erros contra o Liverpool foram bem feitas. Do lado esquerdo de defesa, ao invés de um zagueiro, Wenger lançou Monreal, o seu lateral-esquerdo mais lento e mais alto. Porém, para um zagueiro, o espanhol é bem rápido em eventuais embates e coberturas. Na linha de 4, Bellerín e Kolasinac ficaram abertos, enquanto Ramsey e Xhaka conseguiram mesclar boas chegadas e consistência na marcação.

wenger-observando-o-jogo

Boas escolhas têm que ser reconhecidas (Foto: Reprodução/Premier League)

A consequência do acerto no planejamento não poderia ser diferente. A vitória por 3 a 0 só coroou tudo que Wenger soube reler no período de Data FIFA. Welbeck, que jogou aberto, marcou duas vezes. Lacazette, extremamente rápido e matador, deixou o dele também.

Five O’Clock Tea – O chazinho da 5 (Resumão da Rodada)

Everton 0 x 3 Tottenham – O Tottenham finalmente teve aquela atuação que se esperava do time. Kane marcou logo o gol de número 100 e o de 101. Com uma partida consistente e eficaz de seus homens de meio, os Spurs amassaram o Everton em pleno Goodison Park. O outro gol foi de Eriksen, que também fez mais uma excelente partida com a camisa do time londrino.

kane-comemorando-gol-contra-everton

Até que enfim! Kane está de volta e logo com dois gols no lombo dos Toffees (Foto: Reprodução/Premier League)

Leicester 1 x 2 Chelsea – Em um jogo interessante principalmente na segunda etapa, os Blues os bateram os Foxes fora de casa. De novo bem sucedido do esquema de três zagueiros de Conte, o Chelsea foi eficiente quando precisava. Morata e Kanté (a famosa Lei do Ex) marcaram para os Blues, enquanto Vardy (sempre ele) descontou para as raposas.

Stoke City 2 x 2 Man United – Os Red Devils empataram fora de casa contra o interessante Stoke. Mesmo tendo virado a desvantagem de um gol, o United chupou um limão azedo (alerta de piada ruim!). Erik Choupo-Moting foi o autor dos gols do Stoke City. Do lado vermelho, Rashford e Lukaku (novamente) marcaram.


Amanhã às 16h, West Ham e o supreendente Huddersfield Town fecham a quarta rodada da Premier League.

FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Guilherme Porto

Guilherme Porto

Esporte sempre foi a minha paixão. Apaixonado por NFL e Futebol, mas acompanho tudo que gere competição, desde golf até curling. E para um cara que preferia os jogos gravados em fita cassete da Copa de 94 aos desenhos animados antes de ir à aula na creche, trabalhar com isso é privilégio.



Related Articles

Premier League – Rodada 9: domínio londrino

A vitória do Tottenham foi avassaladora para cima do Liverpool (Foto: Reprodução/Premier League) Domínio londrino na semana 9 da Premier

Tudo azul na Premier League

Matic, autor do terceiro gol contra o Middlesbrough, na última segunda, aponta quantas vitórias faltam para garantir o caneco da

Mourinho, o gênio do não-futebol

O gênio do não-futebol é português: José Mourinho (Foto: Mike Hewitt/Getty Images) O United de José Mourinho, com méritos e

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido