Hungria x Portugal: grandes questionamentos da humanidade

Hungria x Portugal: grandes questionamentos da humanidade
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

André Silva fez seu 9º gol em 15 jogos por Portugal. Hoje foi o da vitória (Foto: Divulgação/WC Qualifiers)

De onde viemos? Para onde vamos? Como Portugal foi campeão da Euro sem Cr7?

Da onde viemos? Para onde iremos?  São muitas as perguntas que a humanidade faz sem saber a resposta. E como a seleção portuguesa foi campeã da Euro 2016 sem Cristiano Ronaldo em campo é uma delas. Portugal vence, mas continua a não convencer.

A equipe lusa possui um futebol pobre e burocrático, se limita muitas vezes a uma posse de bola estéril e a mandar chuveirinho para a área. Contra uma equipe que se posta defensivamente à espera do contra-ataque – como foi a Hungria – falta criatividade para furar a defesa. E isso passa muito mais pelas escolhas de Fernando Santos do que pela qualidade do plantel em si.

Obviamente Portugal não tem uma equipe tão boa como Alemanha, Espanha, França ou Brasil. Mas tem jogadores de bom nível, que deveriam ser titulares sem muitos questionamentos. Como aceitar Bernardo Silva na reserva? Justamente o jogador que possui o toque de criatividade e técnica que o time luso precisaria para furar a defesa húngara. Muito menos quando se vê que em seu lugar entrou Gelson Martins, jogador que até pode ter alguma utilidade dado à velocidade que possui, mas peca pela falta de QI futebolístico.

Aliás, o tal QI futebolístico parece faltar em boa parte da seleção: Eliseu, Cédric, Danilo, João Mário. Todos jogadores com alguma qualidade, mas que pecam no excesso de escolhas erradas no jogo.

Essa falta de inteligência e criatividade acaba por sobrecarregar Cristiano Ronaldo. O gajo, acostumado a ser abastecido por um meio de campo que transborda essas qualidades – e raras vezes necessita recuar além dos últimos 3/4 do campo no Madrid –  tem cenário diferente na seleção. O craque precisa voltar muitas vezes para o meio, criar, passar e ainda tentar ir para a área para finalizar. Pelo talento que tem, até consegue cumprir bem esse papel. Quem perde muito é a seleção, com seu principal finalizador – e jogador – longe do gol.

cristiano-ronaldo-hungria-portugal-eliminatorias

Cristiano Ronaldo é por vezes sobrecarregado na área criativa e ofensiva de Portugal (Foto: Reuters).

Mas Portugal também possui bons coadjuvantes em seu time titular: Moutinho é um ponto de qualidade e QI futebolístico no meio de campo e André Silva é um bom companheiro para Cristiano no ataque, ainda que não seja tão bom tecnicamente. Quando os 3 se ligam em campo, dá coisa boa. E foi justamente assim que Portugal chegou ao único gol da partida: aos 3′ do segundo tempo Moutinho enfiou bola para Ronaldo na linha de fundo, que cruzou para o camisa 9 escorar de cabeça.

A Hungria até chegou a assustar algumas vezes, principalmente com as arrancadas de Dsudzsák. Mas se destacou mesmo por bater – e muito – durante o jogo, tentando equilibrar a partida na porrada. O atacante Priskin chegou a ser expulso aos 30′ do primeiro tempo após dar uma cotovelada maldosa em Pepe.

Com a vitória, a Seleção Portuguesa chegou aos 21 pontos e continua a perseguir a Suíça – que venceu a Letônia por 3×0 e tem 24 pontos – pela primeira colocação do grupo. Faltando apenas os jogos contra Andorra e a própria Suíça, os portugueses precisam vencer seus últimos compromissos para carimbar seu passaporte de forma direta para a Rússia – já que empatariam em pontos mas liderariam por conta do saldo.

PS: sobre a pergunta de como a Seleção das Quinas foi campeã europeia jogando a final sem Cristiano Ronaldo… bom, a França – dona da casa e derrotada naquele jogo – empatou em 0x0 com Luxemburgo, também em casa, sendo a primeira vez em mais de 100 anos que os luxemburgueses não são derrotados por Les Bleus. Acho que esse fato já responde nossa pergunta, não?

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Matheus Wesley

Matheus Wesley

Aspirante a jornalista e apaixonado por futebol onde se parlla e onde se habla. Fã de tática e da história desse esporte incrível. Considera Zizou a síntese do "jogo bonito" e acha os desarmes de Cannavaro, Baresi e Maldini uma obra-prima tão bela quanto qualquer gol. Twitter: @Matheus11Wesley



Related Articles

Messi: mesmo criticado, jogai por nós

Se la mano de D10s deu um Mundial à Argentina, os pés do messias podem salvar a albiceleste da tragédia

Não podemos nos esquecer de La Roja

Isco teve atuação mágica num palco em que já é acostumado a brilhar (Foto: Football HQs) Orquestrada pelo maestro Isco,

Seleção: Tite está acima das críticas?

Você diria não à este homem? (Foto: Lucas Figueiredo/MoWa Press) As escolhas de Tite parecem sempre dar certo, mas algumas

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido