Não podemos nos esquecer de La Roja

Não podemos nos esquecer de La Roja
FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Isco teve atuação mágica num palco em que já é acostumado a brilhar (Foto: Football HQs)

Orquestrada pelo maestro Isco, Espanha dá um baile de futebol na Itália e mostra que não pode ser subestimada

Na hora de se elencar os maiores favoritos para a Copa do Mundo do ano que vem, na Rússia, costumamos citar – com justiça – Brasil, França e Alemanha. Mas a Espanha vem com uma excelente equipe e está vivendo um excepcional momento, ratificado por um passeio na toda poderosa Itália em um lotado Santiago Bernabéu.

As duas equipes ousaram em seu 11 inicial: a Itália apostou em um 4-2-4 com apenas De Rossi e Verratti. A dupla Azzurra não seria o bastante para conter uma Espanha que, ao optar por entrar sem um atacante fixo, colocou 6 homens no meio de campo. Se na primeira partida entre as duas equipes pelas Eliminatórias imperou o equilíbrio – com o placar em 1×1. Em casa, a Espanha destoaria.

A movimentação e volume de jogo incessante dos jogadores espanhóis deixavam a equipe italiana atônita. Os jogadores azzurri pouco conseguiam incomodar. E quando conseguiam, tinham o paredão De Gea para impedir seus gols. O mesmo problema não teve a Espanha, que sairia para o intervalo com vantagem de dois gols, ambos feitos por Isco. O primeiro saiu em cobrança de falta, que Buffon aceitou; e no segundo, o madridista cortou a marcação e chutou de perna esquerda, de fora da área. Morata ainda completaria o placar no segundo tempo, após receber cruzamento rasteiro depois de arrancada de Sérgio Ramos. Placar final: 3×0, fora o baile.

Na partida contra a tetracampeã mundial, aliás, Isco apenas deu prosseguimento à ótima fase que vive na carreira. Deixou De Rossi e Verratti perdidos à sua procura – o jogador do PSG chegou inclusive a levar uma humilhante caneta do camisa 22. Isco é o primeiro jogador espanhol em 87 anos a fazer uma doppietta contra a Itália.

espanha-x-italia-santiago-bernabeu-eliminatorias

Um lotado Bernabéu viu uma exibição de gala de La Roja ( Foto: Divulgação/Real Federação Espanhola).

Mas o malaguenho não foi – e nem é – um violino solitário nessa orquestra espanhola. No meio campo que entrou como titular, Isco teve a companhia de: Busquets, Iniesta, David Silva, Koke e Asensio – este último, ganhando mais minutos no Madrid, deve ir arrumando sua vaga entre os titulares. Transborda talento o talvez melhor meio de campo do mundo. E o técnico Julen Lopetegui ainda tem o luxo de poder deixar um Thiago Alcântara no banco.

Mas os bons nomes não se restringem à meiuca. A Fúria conta ainda com um goleiro espetacular como De Gea; uma dupla de zaga experiente e boa de bola com Ramos e Piqué; além de excelentes laterais, como Carvajal e Alba. Fora isso tudo, a seleção espanhola ainda possui um banco recheado de boas opções: além do já citado Thiago, nomes como Saúl, Azpilicueta, Diego Costa e Morata também fazem parte do escrete espanhol.

Quase todos world class em suas posições e com uma boa parte desses vivendo o auge da carreira. Essa é a Espanha “não-favorita” à Copa de 2018. Com tudo, e um técnico minimamente competente como Lopetegui, que tem passagem pela vitoriosa base roja, a Espanha não irá à Rússia para brincadeira. E subestimar o poder de fogo dos espanhóis pode ser fatal.

A tabela

Com a vitória sobre a Itália (a pior derrota sofrida pelos italianos em uma partida de eliminatórias para a Copa), a Espanha abre agora três pontos de vantagem sobre os azzurri – antes da partida os espanhóis também eram líderes, mas apenas pelo saldo de gols. La Roja tem agora pela frente Liechtenstein, Albânia e Israel. E aqui não interesse muito se fora ou em casa. Dando o esperado, ganham os nove pontos e carimbam o passaporte direto para a Copa, mandando Buffon e cia. para a repescagem.

Confira também a visão italiana sobre a partida

FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Matheus Wesley

Matheus Wesley

Aspirante a jornalista e apaixonado por futebol onde se parlla e onde se habla. Fã de tática e da história desse esporte incrível. Considera Zizou a síntese do “jogo bonito” e acha os desarmes de Cannavaro, Baresi e Maldini uma obra-prima tão bela quanto qualquer gol. Twitter: @Matheus11Wesley



Related Articles

Seleção Brasileira: destempero e falta de pressão

Ontem o feijão brasileiro deu uma azedada em Wembley (Foto: Adrian-Dennis/AFP) O chef Tite arrumou a cozinha da Seleção Brasileira,

Ninguém larga o osso

Depois de 3 jogos, trio MSN volta a entrar junto e não decepciona (foto: Barcelona/ divulgação) Briga de cachorro grande

Supercopa UEFA: When I see you again

Foto: Reprodução/UEFA Na Macedônia, deu mais uma vez Real Madrid. Em um jogo interessante, quem levou a Supercopa foi o

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido