Na casa italiana, Hamilton faz sua cama e a RBR desfila seu piloto de ouro

Na casa italiana, Hamilton faz sua cama e a RBR desfila seu piloto de ouro
FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

A tradicional festa italiana em Monza (Foto: Divulgação/ Formula 1)

Hamilton, tão distante dos outros em sua primeira colocação, nem sequer parecia participar da disputa; Ricciardo entrega mais do que se espera.

Fã ou não da Ferrari, o GP de Monza é um espetáculo à parte na temporada. Arrisco dizer que Sebastian Vettel e a equipe italiana se tornarão a união mais icônica das últimas temporadas, e a renovação de contrato por mais três anos pode ser a parceria mais vitoriosa nestes tempos. Apesar da presença no pódio, esse final de semana não foi o dia de brindar italianos – mas ingleses e australianos.

RBR: um problema e uma solução

A Red Bull Racing tem sido a porta de entrada de alguns dos pilotos mais bem sucedidos nos últimos anos da F1. Os tempos de glória, com Vettel (e Mark Webber) pilotando imprimiram na equipe um grande senso de desenvolvimento de pilotos. Mas será possível controlar Max Verstappen?

max vertappen da rbr no cockpit

Verstappen está sempre na corda bamba com punições (Foto: LAT IMAGES)

A coragem da equipe de assumir um piloto irresponsável despreocupado com as regras da competição pode ser um tiro no próprio pé. Apesar do talento indiscutível do holandês, Daniel Ricciardo precisa de um escudeiro. Na hora decisiva, Verstappen será submetido aos resultados do companheiro de equipe – assim como já é comparado – e a resposta do piloto pode não ser a mais fácil para a RBR.

Ricciardo, por sua vez, foi o homem da corrida. Largando em décimo sétimo após a punição da troca das unidades de potência no treino, o número um da Red Bull ganhou treze posições até encostar em Vettel – e registrar voltas mais rápidas que o alemão. A ultrapassagem não aconteceu, mas o perigo que o australiano representa se instaura a cada dia mais.

A distância de colocação dos pilotos da RBR é somente duas posições. A pontuação de Ricciardo, porém, tem uma diferença maior do que o dobro dos 68 pontos de Max Verstappen. Muito disso é consequência do perfil de ambos, sem contar a sorte que falta ao holandês, que já teve problemas em sete das treze corridas até então. Aqueles que apostaram que o menino Max quebraria todo o carro até o final da temporada, podem comemorar: ao que tudo indica, com ou sem zica brasileira, ele vai.

Stroll se acha nas primeiras posições

Com impressionantes 19 anos, Lance Stroll começa a mostrar sua habilidade pela Williams. Após a polêmica com a compra da vaga na equipe inglesa, o piloto entrou na F1 com a moral baixa e está tendo trabalho redobrado para merecer o lugar que ocupa. No ano passado, a expectativa era de que o jovem fosse o escudeiro de Valtteri Bottas. A reviravolta começou com Felipe Massa desistindo da aposentadoria e assumindo a vaga do finlandês, que acabou indo ocupar o espaço que Nico Rosberg – esse sim, aposentado – havia deixado na Mercedes.

Em Monza, Stroll, destaque na F3 e F4 nos anos anteriores, largou logo atrás de Hamilton e, mesmo ultrapassado pela Force India de Esteban Ocon, demonstrou segurança e maturidade para correr nas primeiras colocações – inclusive à frente de seu companheiro de equipe que chegou em oitavo.

Na casa italiana, a Mercedes faz sua cama

Lewis Hamilton aproveitou o final de semana para fazer história mais uma vez. O piloto inglês deixou para trás o maior de todos o tempos, Michael Schumacher, ao marcar sua sexagésima nona pole position. Em primeiro o tricampeão mundial largou, em primeiro chegou, com seu escudeiro logo atrás. Hamilton assume a liderança do campeonato, com 3 pontos de vantagem em cima de Sebastian Vettel, o que é uma vitória frágil para o inglês, porém dolorida para os ferraristas que esperavam triunfar em casa.

Vencer na Itália para a Ferrari é como carnaval no Rio de Janeiro para os cariocas. Ver essa emoção sendo tomada pelo seu maior rival no automobilismo é, no mínimo, garantia de alguns noites sem sono. Mas como italiano é sinônimo de comemoração, o terceiro lugar de Sebastian foi plenamente festejado pelos cerca de 100 mil presentes apaixonados por velocidade.

É certo que todos já imaginaram como seria a temporada 2018, com Hamilton e Vettel tetracampeões. A emoção do empate no ano atual é grande, mas não pode ser maior do que o voracidade de estar na frente. Aguardaremos até lá com a certeza de que Cingapura vem aí e ainda tem muita pista até Abu Dhabi.

FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Izabelle Souza

Izabelle Souza

Estudante de Publicidade, 20 anos, nascida e criada entre Niterói e São Gonçalo. A criança que queria correr na F1, mas acabou nadando até chegar na praia. E ainda bem que chegou! Da areia, não conseguiu evitar se apaixonar pelo surf. Da vida, não foi capaz de separar o trabalho do esporte.



Related Articles

Fernando Alonso e IndyCar: uma união que pode vingar

Foto: Autosport/Reprodução Desmotivado com a F1 e, principalmente, com o mal desempenho de seu carro, o piloto espanhol busca novos

Force India e Williams: a certeza e a dúvida da Formula 1 em 2017

Foto: Force India Force India chega na temporada com força para brigar pelo quarto lugar, enquanto Williams se torna a incógnita

Fórmula 1 2017: Começo de uma nova era

Valteri Bottas pilotando sua Mercedes (em Marte?) Foto: Sutton Images Novo regulamento e troca nos dirigentes da categoria prometem novidades

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido