Vai e vem da NBA: Divisão do Atlântico

Vai e vem da NBA: Divisão do Atlântico
FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Como aquecimento para o início da temporada, a RISE Esportes está analisando as movimentações de mercado dos times da NBA; dessa vez iremos falar da Divisão do Atlântico, lar do maior campeão da liga, o Boston Celtics

Confira também nossas análises das divisões Central, do Pacífico e Sudoeste

Boston Celtics

Os celtas investiram pesado e fizeram várias adições ao elenco, sendo a contratação de Kyrie Irving a principal delas. Por outro lado, também perderam peças importantes da campanha da última temporada.

Após uma novela que se arrastou por bastante tempo, Celtics e Cavaliers concordaram na troca que levará Irving para Boston e Isaiah Thomas para Cleveland. A negociação envolve ainda a ida de Jae Crowder, Ante Zizic, a escolha de 1ª rodada do Brooklyn Nets de 2018 e a de 2ª rodada do Miami Heat de 2020.

Os reforços visam elevar ainda mais o potencial da equipe, que busca se tornar capaz de enfrentar as duas principais potências da liga: o Cleveland Cavaliers e o Golden State Warriors.

No draft, a franquia se reforçou com Jayson Tatum (3º), Semi Ojeleye (37º), Kadeem Allen (53º) e Jabari Bird (56º).

Selecionado na terceira escolha, Tatum é um ala com capacidades ofensivas bem desenvolvidas. Sua altura e envergadura o colocam em vantagem contra outros marcadores e o jovem demonstra potencial na parte defensiva.

Por outro lado, com média de apenas 2 assistências por jogo, não demonstra capacidade de encontrar companheiros livres para pontuar. Além disso, sua tomada de decisões por vezes deixa a desejar, o que influência em seu número de turnovers.

Completam as chegadas os pivôs Aron Baynes (Pistons) e Daniel Theis (Brose Bamberg-ALE); o armador Shane Larkin (Saski Baskonia-ESP); o ala-armador Andrew White (calouro não draftado); o ala-pivô Marcus Morris (também dos Pistons); e os alas Gordon Hayward (Jazz) e Abdel Nader (58ª escolha de 2016).

As saídas ficam por conta de Avery Bradley (Pistons), Jonas Jerebko (Jazz), Gerald Green e James Young (Bucks); Amir Johnson (Sixers), Kelly Olynyk e Jordan Mickey (Heat); Jae Crowder, Ante Zizic e Isaiah Thomas (Cavs); Demetrius Jackson (Rockets) e Tyler Zeller (Nets).

A princípio, a profundidade da equipe é afetada. Mas precisamos ver em quadra como o elenco irá se portar na temporada. É claro, as três primeiras posições possuem boas alternativas: Terry Rozier, Jaylen Brown, Shane Larkin, Marcus Smart, Jayson Tatum e Abdel Nader. Mas o garrafão carece de melhores nomes e a contratação de um pivô com experiência seria o ideal.

Além disso, do conjunto derrotado pelo Cavaliers na final da Conferência Leste em maio desse ano, apenas 4 atletas permaneceram em Boston – Al Horford, Marcus Smart, Jaylen Brown e Terry Rozier.

Provável Time titular:

PG: Kyrie Irving; SG: Jaylen Brown/Marcus Smart; SF: Gordon Hayward; PF: Marcus Morris; C: Al Horford

Kyrie Irving e Gordon Hayward, as principais contratações de Boston (Foto: John Tlumacki/Globe Staff)

Toronto Raptors

A franquia do Canadá não teve muitos reforços até o momento e parece ter perdido mais do que ganhado nessa Offseason.

O ponto alto das negociações de Toronto foi ter renovado com dois pilares do elenco. O armador Kyle Lowry renovou por três anos em um valor de US$100 milhões, enquanto o ala-pivô Serge Ibaka receberá US$65 milhões, também por três anos de contrato.

Nas adições ao elenco, os Raptors contam com o pivô Kennedy Meeks (calouro não draftado); e os alas C.J. Miles (Pacers), Lorenzo Brown, K.J. McDaniels (Nets), Kyle Wiltjer (Rockets), Malcolm Miller e Alfonzo McKinnie (calouros não draftados).

OG Anunoby (23º) foi o único atleta selecionado pela equipe no draft. Ala de perfil físico, possui potencial defensivo e demonstra capacidade no arremesso. Seus pontos fracos são seus recursos ofensivos limitados, visão de jogo e qualidade no passe abaixo da média.

Já as saídas, ficam por conta de DeMarre Carroll (Nets), Cory Joseph (Pacers), Patrick Patterson (OKC) e P.J. Tucker (Rockets).

Todos que saíram tinham um papel importante na rotação da última campanha – com mais de 20 minutos em quadra na temporada regular – e participaram em todas as partidas dos playoffs. Portanto, até o momento as reposições não foram à altura.

Provável Time titular:

PG: Kyle Lowry; SG: DeMar DeRozan; SF: CJ Miles; PF: Serge Ibaka; C: Jonas Valanciunas

ibaka-derozan-lowry-toronto-raptors

O trio continua em Toronto: Serge Ibaka, DeMar DeRozan e Kyle Lowry (Foto: Nathan Denette/The Canadian Press)

New York Knicks

As notícias que vieram à tona sobre franquia de Nova Iorque durante boa parte da Offseason foram rumores ao redor dos nomes de Kyrie Irving e Carmelo Anthony. O primeiro como alvo primário da equipe e o segundo como moeda de troca em outras negociações.

O elenco recebe o reforço do ala-armador Tim Hardaway Jr. que volta para a franquia depois de duas temporadas atuando pelo Atlanta Hawks; do ala Michael Beasley (Bucks); do armador Ramon Sessions (Hornets) e de Jamel Artis, Nigel Hayes e Xavier Rathan-Mayes – calouros não draftados.

No draft a equipe selecionou o francês Frank Ntilikina (8º), Damyean Dotson (44º) e Ognjen Jaramaz (58º).

Ntilikina é um armador com atributos físico-atléticos privilegiados, tornando-o um ótimo contestador de arremessos, que pode marcar atletas mais altos de outras posições. Esforçado, tem alta capacidade de se recuperar em lances perdidos. Seu arremesso de média e longa distância passa por constante evolução. Porém, ainda deixa a desejar como opção principal de armação.

Na outra vertente, a equipe perdeu os atletas Justin Holiday (Bulls), Derrick Rose (Cavaliers), além de Maurice Ndour e Marshall Plumlee (dispensados).

Ainda existe uma incógnita em torno da franquia: a permanência de Carmelo.

Por enquanto, os Knicks tem apenas Ron Baker, Ramon Sessions e Frank Ntilikina para a armação. Além do calouro, que poderia assumir a titularidade para se desenvolver, os outros dois não seriam opções confiáveis para começar jogando.

Além disso, o contrato de US$71 milhões em 4 anos de Tim Hardaway Jr. é bastante exagerado.

Provável Time titular:

PG: Ron Baker/Frank Ntilikina; SG: Tim Hardaway Jr.; SF: Carmelo Anthony; PF: Kristaps Porzingis; C: Willy Hernangomez

tim-hardaway-jr-new-york-knicks

Tim Hardaway Jr. está de volta ao New York Knicks (Foto: Divulgação/Madison Square Garden)

Philadelphia 76ers

Philly continua trabalhando em seu processo de reconstrução. Mas desta as expectativas estão altas, principalmente pelas boas atuações do o pivô Joel Embiid e do ala-pivô Dario Saric.

Além deles, esse ano promete ser a estreia da escolha número um do draft de 2016. O ala Ben Simmons finalmente jogará após ter fraturado o pé na pré-temporada ano passado.

Aos três, se junta o armador Markelle Fultz, escolha de número um do último draft – e considerado o atleta mais talentoso de uma das classes de jovens mais fortes dos últimos anos.

Fultz é uma combinação de pontuador de elite – capaz de pontuar de diversas formas com consistência – com um armador acima da média, de visão de jogo e passe privilegiados. Do outro lado, teve dificuldades de criar jogadas ao enfrentar defensores de elite, tomando decisões precipitadas que levaram à turnovers.

Além de Fultz, os Sixers selecionaram o pivô Anzejs Pasecniks (25º) e os alas Jonah Bolden e Mathias Lessort (na 36ª e 50ª escolhas, respectivamente).

A chegada dos veteranos Emeka Okafor, Amir Johnson (Celtics), Kris Humphries (Hawks) e JJ Redick (Clippers) adiciona experiência aos mais jovens e ajuda na composição e profundidade do elenco. Fechando as adições, Philadelphia também contará com o ala-armador Furkan Korkmaz (26ª escolha de 2016) e com o atleta bicampeão pelo Golden State Warriors James Michael McAdoo.

As saídas ficaram por conta do veterano Gerald Henderson (dispensado), do espanhol Sergio Rodriguez (CSKA Moscou), do ala-pivô Shawn Long (Rockets) e do brasileiro Tiago Splitter.

O quinteto titular é promissor e tem potencial para brigar por uma vaga nos playoffs.

Provável Time titular:

PG: Markelle Fultz; SG: JJ Redick; SF: Ben Simmons; PF: Dario Saric; C: Joel Embiid

covington-simmons-fultz-embiid-76ers

Robert Covington, Ben Simmons, Markelle Fultz e Joel Embiid, o processo dos 76ers (Foto: Joel Embiid/Twitter)

Brooklyn Nets

Os Nets vivem uma fase obscura desde sua última ida aos playoffs, na temporada 2014-15. O plano de montar um super time em curto prazo se mostrou um fracasso total.

Mesmo após 4 anos da troca gigantesca com o Celtics por Paul Pierce e Kevin Garnett, a franquia continua pagando o preço alto pela infelicidade da negociação. As escolhas enviadas aos celtas acabaram se tornando Jaylen Brown (3ª escolha de 2016) e Markelle Fultz (1ª de 2017).

No processo de reconstrução, Brooklyn deu uma melhorada. Mesmo com contratos caros e de longo prazo, DeMarre Carroll (Raptors) e Allen Crabbe (Trail Blazers) são bons jogadores e poderão contribuir. Outra boa contratação foi a do jovem e útil pivô Tyler Zeller (Celtics).

D’Angelo Russell (ex-Lakers) é o jovem de potencial que a franquia precisava para depositar sua confiança – pelo menos por enquanto. O lado negativo é que o pivô russo Timofey Mozgov e seu contrato grotesco vieram juntos.

No draft, Jarrett Allen (22º) e Aleksandar Vezenkov (57º) foram os selecionados. Completam a lista dos reforços Milton Doyle, Jeremy Senglin e Jacob Wiley – todos calouros não draftados.

Allen é um pivô de grande estatura, atlético e capaz de proteger bem o aro. Em torno da cesta é ótimo finalizador e seu arremesso de média distância mostra sinais de progressão. Contudo, em certos momentos carece de atenção. Por vezes o jogador não demonstra o esforço e a garra característica dos pivôs nos rebotes.

Os nomes de saída foram K.J. McDaniels (Raptors), Justin Hamilton, Brook Lopez (Lakers), Andrew Nicholson (Trail Blazers) e Archie Goodwin (dispensado).

Como já dito, as perspectivas da franquia melhoraram e os Nets prometem ser mais competitivos do que na última temporada. Por outro lado, o elenco está longe de estar entre os mais qualificados da liga. Resumindo: dos males, o menor. O time do Brooklyn precisará caminhar muito durante alguns anos pra poder sair dessa reconstrução.

Provável Time titular:

PG: Jeremy Lin; SG: D’Angelo Russell; SF: Allen Crabbe/DeMarre Carroll; PF: Rondae Hollis-Jefferson; C: Timofey Mozgov/Tyler Zeller

dangelo-russel-timofey-mozgov-apresentacao-nets

D’Angelo Russell e Timofey Mozgov, os reforços do Nets para a temporada (Foto: Divulgação/Brooklyn Nets)

FacebookLinkedInTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Felipe Coelho

Felipe Coelho

Apaixonado por esportes e por redação desde pequeno, demorou a perceber que poderia unir essas duas paixões como forma de viver e se expressar. Se jogou de cabeça relativamente tarde no basquete, mas a partir daí não parou mais. Até se esforça na hora da pelada, mas a habilidade só existe nos videogames mesmo. Nerd de carteirinha, coleciona milhares de horas na Steam. Football Manager player since 2005.



Related Articles

Blazers vencem Spurs com cesta no estouro do cronômetro

Os nomes do jogo: Noah Vonleh e Shabazz Napier (Foto: NBA) A grande atuação de Shabazz Napier foi fundamental para

Copa América: renovação na Seleção Brasileira

Jogadores convocados para a semana de preparação da Copa América (Foto: CBB) Primeira convocação oficial de Cesar Guidetti demonstra a nova

A série chega a Cleveland: o que esperar?

LeBron James: a estrela que conduzirá o Cleveland na busca pela virada (Foto: Ken Blaze-USA TODAY Sports) Com a desvantagem

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido