Premier League – Rodada 3: memórias

Premier League – Rodada 3: memórias
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Wenger, meu filho, abre esse olho! (Foto: Reprodução/Premier League)

Na 3ª rodada da Premier League, Spurs patinam e Gunners tomam uma lavada dos Reds; confira a análise de mais uma semana de Campeonato Inglês

Na definição do dicionário, memória é a faculdade de conservar e lembrar estados de consciência passados e tudo quanto se ache associado aos mesmos. As lembranças de momentos antigos remontam uma realidade na mente que, nem sempre, nos ajudam. Em alguns casos, elas são muito boas, de fato. Mas mesmo sendo boas, elas podem ser nocivas.

Memória #1: um técnico de muito sucesso

Arsène Wenger. Esse é o nome da memória do Arsenal. E ela está longe de ser ruim.

Em 1996, o técnico francês chegou com um excelente status de campeão. Não decepcionou e entre o ano da chegada e 2003 foram três conquistas da Premier League. Além dos canecos de Copa da Inglaterra e Supercopa, é claro. Mas a memória está atrapalhando a modernização dos Gunners.

Contra o Liverpool, no clássico em Anfield, o Arsenal foi pequeno. E os Reds, com mais uma atuação de gala, enfiaram 4 a 0 contra o time londrino. Firmino, Mané, Salah e Sturridge marcaram. Mas isso nem foi o pior. Para o Arsenal, o maior problema está do lado de fora do campo: a estagnação diante dos outros times. Enquanto os adversários diretos evoluem, os Gunners abusam da sorte – e da falta de senso.

Salah bagunçou a zaga do Arsenal (Foto: Reprodução/Premier League)

O tempo de Wenger já passou. Isso está mais do que claro. Alexis e as estrelas do Arsenal não rendem metade do esperado. A desmotivação e as escolhas erradas – tanto do francês, quanto da diretoria – mostram que, nesse ritmo, o Arsenal vai viver de memórias. E combinemos que o Liverpool não tem nada a ver com isso.

No primeiro gol, Firmino entrou sozinho e deu uma testada de manual. No segundo, Mané teve extrema facilidade e espaço para cortar para o meio e sacudir a rede. No terceiro, o retrato do atual momento do Arsenal: a defesa, mal posicionada para receber a bola do escanteio, viu Salah arrancar enloquecidamente sem ninguém para acompanhar. No quarto, Sturridge basicamente entrou com bola e tudo.

Chega de Wenger.

Memória #2: uma casa acolhedora

White Hart Lane. Esse é o nome da memória do Tottenham. E isso é ótimo. Mas passou.

Na temporada passada, durante a Champions, foram 85.ooo vozes empurrando. E nem assim os resultados vieram. Dessa vez, em duas rodadas dentro de “seus domínios”, foi apenas um ponto conquistado em seis disputados. O primeiro adversário foi o Chelsea, o que justificaria uma derrota por ser um clásssico. Mas o jogo não foi bem assim. E, convenhamos, os Spurs deram mole.

No último domingo, contra o Burnley – que vitimou o Chelsea na primeira rodada, em Stamford Bridge – o time de Pochettino vacilou. De novo.

chris wood gol tottenham

Chris Wood resolveu a parada para o Burnley (Foto: Reprodução/Premier League)

Durante o jogo, o domínio existiu. 67.2% de posse de bola e 5 chutes no gol demonstram um bom jogo. Mas a eficiência tá longe de ser o ideal. Contra os Blues o problema foi justamente esse. E contra o Burnley apareceu de novo. E ganha um prêmio quem adivinhar o carrasco.

Chris Wood! Sim. E nós avisamos.

O neozelandês teve poucas chances. Mas a que precisava, aos 47 do segundo tempo, ele guardou. E o placar foi esse: empate em 1 a 1. CHRIS WOOD IS ON FIRE! 

Memória #3: o ano do conto de fadas

O Leicester ainda tem um time competitivo. Mas vive do ano do título. E essa é a memória dos Foxes.

Contra o United – ainda sentindo, por mais um ano, a falta de Kanté – o time penou. Os Red Devils, enjoados como estão, pressionaram bastante. Lukaku ainda perdeu um pênalti diante do gigante Schmeichel. Mas Rashford e Fellaini resolveram o problema.

Veio mais uma vitória para o United e a liderança se mantém. Os Foxes precisam se reinventar. O jogo continua marcado. Com poucas mudanças na formação, Vardy não tem conseguido render o esperado.

No mais, as raposas se quiserem se manter no alto –  e tentar mais uma Champions League – vão precisar de mais. Muito mais.

Five O’Clock Tea – (O chazinho das 5)

crouch gol west brom

Esse cara é um show de carisma! Que homem esse Crouch (Foto: Reprodução/Premier League)

Newcastle 3 (Joselu, Clark e Mitrovic) x 0 West Ham: o West Ham não aprendeu ainda. É a terceira derrota. Mesmo com grandes contratações é a terceira derrota. E não jogou nada. A vitória do Newcastle se deu mais para o final do jogo. E com extrema facilidade. Ou o WHU se reinventa ou vai cair, mesmo com um bom orçamento.

West Brom 1 (Jay Rodriguez) x (Crouch) 1 Stoke City: o jogo em si serviu para mostrar um time perigoso. O WBA tem jogado muito bem. As novas contratações estão se encaixando e o time pode apontar bastante ainda. Olho neles!

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Guilherme Porto

Guilherme Porto

Algo entre o famoso soccer e o lacrosse universitário da Irlanda do Norte me interessam. A paixão por esportes (lê-se quase todos), acompanhada de uma boa resenha e uma cerveja gelada me encantam bastante. E, apesar de não podermos beber aqui, o resto garanto passar com agilidade e muita informação.



Related Articles

Bem-vinda, Premier League #2: O grupo do talvez

Lacazette, a paixão dos jogadores de FIFA, chega com tudo para ser mais um dos astros do Arsenal (Foto: Reprodução/Arsenal)

Quando foi que o mercado enlouqueceu?

Mendy foi um dos jogadores mais caros da janela de verão na Premier League (Foto: Divulgação/Independent) Com transações estratosféricas, o

Five’O Clock (rodada 11): quase tudo azul

Jesus não começou o jogo, mas guardou o seu e ligou para a mãe (Foto: Reprodução/Premier League) Não fosse o Liverpool,

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido