Taça Libertadores: Argentinos em foco

Taça Libertadores: Argentinos em foco
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Mais uma vez os clubes argentinos chegam forte às quartas de final da Libertadores (Foto: Reprodução/The Bubble).

Os times argentinos, eternos ‘bichos papões’ da Libertadores mantêm a tradição e marcam presença nas fases agudas da competição

Com o início do Campeonato Argentino se aproximando (mais especificamente no dia 27 de agosto), alguns times já estão em ritmo acelerado devido às fases de definição da Libertadores. River Plate, San Lorenzo e Lanús avançaram e garantiram a forte presença dos argentinos nas quartas de final.

O San Lorenzo, que iniciou a competição perdendo de 4×0 para o Flamengo, conseguiu se restabelecer e avançou em primeiro lugar no Grupo 4. O River Plate, que em sua primeira partida ganhou de 3×1 do Independiente/Medellín-COL, também foi líder no Grupo 3. E até mesmo o Lanús, que perdeu por 1×0 para o fraco Nacional-URU na estreia, teve boa recuperação e terminou sobreano em seu grupo.

Nas oitavas de final, o San Lorenzo enfrentou o Emelec-EQU; o River teve como adversário o Guaraní-PAR; e o Lanús jogou contra o The Strongest-BOL; com dificuldades variadas, todos passaram.

San Lorenzo x Emelec

A equipe argentina não se deixou abalar em momento algum pela animada torcida equatoriana. Desde o início do jogo se impôs, cedendo poucos espaços e com uma marcação bem ajustada aos poucos foi avançando. Aos 24 minutos da primeira etapa, Belluschi, aquele que fez o gol aos 47 do segundo tempo contra o Flamengo garantindo a classificação do seu time, sofreu falta na intermediária. O próprio cobrou e fez o único gol da partida. El Ciclón jogaria por um empate sem gols em sua casa.

No segundo jogo, até os trinta minutos do primeiro tempo, houve poucas chances concretas de gol. O San Lorenzo até produzia contra-ataques a partir de roubadas de bola, mas as jogadas não resultavam em lances perigosos. Logo no começo da segunda etapa o Emelec achou um gol em um cruzamento que teve falha da defesa azulgrana. Após o gol, o segundo tempo foi mais animado, mas sem outras bolas balançando as redes, o que levou a partida para os pênaltis. Com duas cobranças defendidas por Navarro, a equipe argentina passou para a próxima fase.

navarro san lorenzo emelec

O goleiro Navarro foi o herói da noite no Nuevo Gasómetro (Foto: AFP/Eitan Abramovich).

River Plate x Guaraní

Enfrentando um momento conturbado por conta dos casos de doping na equipe, o River enfrentou o Guaraní buscando um resultado fora de casa. Los Millonarios tomaram a iniciativa e logo no começo do jogo já proporcionavam lances perigosos, como o cabeceio para fora de Alario aos quatro minutos, após uma batida de escanteio. A equipe de Buenos Aires só era ameaçada em bolas alçadas na área. Aos36 minutos, o estreante Ignacio Scocco bateu falta que desviou na barreira e entrou: River 1×0.

scocco river plate guarani

O experiente Scocco (ex-Internacional) marcou logo em sua estreia pelos Millonarios (Foto: Divulgação/AFP).

Durante a comemoração, os refletores centrais do estádio Defensores del Chaco se apagaram e assim ficaram por 15 minutos. No reinício após a paralisação, os paraguaios assustaram, mas não concretizaram nenhuma chance. No segundo tempo, com um jogo mais equilibrado, as chances aconteceram para os dois lados. Mas aos quarenta e dois, Pity Martínez, um dos melhores em campo, bateu falta para Larrondo cabecear livre e fazer o 2×0.

No segundo jogo, já com o resultado feito, o River não jogou bem. O time da capital deu muitos espaços e contou coma falta de efetividade do adversário. Ao final do primeiro tempo, porém, Marín cruzou na direita para Palau completar: gol do Guaraní. No começo da segunda etapa, aos quinze segundos, Alario mostrou que o River não iria aceitar calmamente o gol em bela finalização perigosíssima. Passados cinco minutos, em um contra-ataque, o time argentino ganhou um escanteio. Pity Martínez cobrou e Pinola marcou. Era o 1×1. Sem poder de reação, o Guaraní apenas observou o River Plate controlar o resultado.

Lanús x The Strongest

Desde o começo da partida o The Strongest, como time da casa, tomou a iniciativa, tendo três boas chances de abrir o placar – duas delas bem defendidas por Andrada e uma outra desperdiçada por Chumacero.

Em raro ataque do time visitante, aos trinta e seis minutos, saiu o primeiro gol da partida. Pasquini chutou de longe e venceu o goleiro. No segundo tempo a pressão do time boliviano foi ainda maior, mesmo que de forma desorganizada.

Como diz o ditado, “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. E uma hora o resultado da incessante pressão apareceu. Pablo Escobar cruzou rasteiro pela direita para Diego Bejarano, de letra, tocar para dentro e deixar tudo igual, já aos 46. O Lanús ainda teve uma oportunidade de virar o jogo com um contra-ataque, mas Martínez errou a conclusão.

Na segunda partida os argentinos foram à campo com a vantagem do empate – sem gols – por conta do tento marcado na Bolívia. Entretanto, sem se acomodar com a vantagem, o Lanús imprimiu um ritmo forte desde os primeiros minutos, mas desperdiçou muitas chances.

lanux x the strongest

O Granate passou algum aperto para se classificar contra o The Strongest (Foto: Reprodução/Agência Gazeta Press).

No segundo tempo, ainda desperdiçando chances claras, viu o time boliviano crescer e passou sufoco. Mas aos 39 minutos, José Sand fez o gol da partida, confirmando o passaporte para a próxima fase da competição.

Cabe a lembrança ao Godoy Cruz, que enfrentou o Grêmio nas oitavas de final e até chegou a animar seu torcedor gol o gol marcado na Arena do Grêmio (mais detalhes sobre o jogo aqui). Infelizmente para os fãs do time de Mendoza, a se fez a supremacia do atual 2º colocado do Campeonato Brasileiro.

Assim, esperamos avidamente o começo da temporada 17/18 do “Argentinão”. E também pelos jogos das equipes argentinas na competição mais importante da América. Até lá, hasta la vista!

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
André Vallone

André Vallone

Niteroiense, apaixonado por futebol e torcedor maluco do Fluminense. Tem na música eletrônica sua segunda paixão. Nas horas vagas um bar, um bom futebol e um ótimo papo são indispensáveis.



Related Articles

Um esporte em crise?

River Plate e o fantasma da Série B: a crise dos clubes e da federação argentina (Foto: Reprodução/Mais Futebol Portugal)

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido