Supercopa de España: são tantas emoções

Supercopa de España: são tantas emoções
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Noite inesquecível para CR7: sete minutos em campo; um golaço e uma expulsão (Foto: Divulgação/Sqawka -Twitter)

Golaços, expulsões e polêmicas são a tônica da vitória imponente do Real Madrid no Camp Nou pela Supercopa de España

Num verdadeiro teste para cardíaco, Barcelona e Real Madrid fizeram um jogo pegado, movimentado e com emoções à flor da pele. Como não poderia deixar de ser num jogo desse nível.

Na verdade, a metade inicial da partida foi bem pouco emocionante: o equilíbrio e o nervosismo tomaram boa parte do tempo de jogo entre Real Madrid e Barcelona na primeira etapa. Um bom número de faltas era visto, algumas bem fortes, como a entrada de Casemiro – punido com o amarelo – em Messi. Apesar do equilíbrio, o Barcelona conseguia fazer a balança pender para o seu lado, levando muito perigo nos escanteios e em bolas lançadas pelo alto para tentar aproveitar a linha de defesa alta dos merengues.

Chances claras mesmo, só uma: Isco fez boa jogada cruzou e Bale chegou chutando pra Stegen mandar pra fora. O jogo sem muitas emoções foi para o intervalo no 0x0. Quinta vez seguida que o clássico no Camp Nou termina o primeiro tempo com o placar empatado a zero.

Um segundo tempo digno de El Clásico

Mas se faltaram emoções no primeiro tempo, a segunda etapa compensaria de forma maravilhosa o fã de esporte desapontado: logo aos 5′, Isco fez jogada pela esquerda, passou a Marcelo, que cruzou pro meio da área onde Piqué – iniciando uma atuação pra se esquecer – desviou contra o próprio patrimônio e enganou Ter Stegen.

1×0 para o Madrid. Logo com gol contra do jogador que é, talvez, o maior desafeto culé da torcida madridista.

O Real Madrid levado pela animação do gol começou a pressionar mais. Benzema pedalou, deixou Piqué no chão e cruzou rasteiro para Carvajal chutar, mas Alba cortou em cima da linha o que seria o 2×0 merengue. Aos 12′ Cristiano Ronaldo entrou no lugar de Benzema. E seria o gajo – e o juiz – os grandes personagens da partida.

Aos 30′ veio a primeira lambança do árbitro: após bola enfiada na área do Real Madrid, Luis Suárez se atirou na saída de Navas. O árbitro deu pênalti apesar dos protestos dos jogadores madridistas.

Messi, que nada tinha a ver com aquilo deslocou Navas na cobrança para deixar tudo igual. 1×1. 24 gols do argentino no el clásico, líder disparado na artilharia do mesmo. Quebrando jejum de 5 jogos sem marcar no Camp Nou. O empate, apesar da maneira que veio, era um ótimo resultado para o Barcelona; mas a alegria duraria pouco…

Luis Suárez fez péssima partida, mas enganou o árbitro em pênalti simulado. (imagem: Barcelona/Divulgação)

Ronaldo, Ronaldo!

Aos 34′, o Real Madrid armou contra-ataque com um-dois de Cristiano com Isco. O espanhol devolveu para Ronaldo na esquerda ficar no mano a mano com Piqué. O camisa 3 ficou perdido com um corte seco, e Cristiano finalizou bonito no ângulo esquerdo de Stegen. Golaço.

18º dele na história do El Clásico, igualado a Di Stéfano e só com Messi a frente. Na comemoração o gajo tirou a camisa e tal como seu rival na temporada passada a mostrou para a torcida adversária. Teve sua revanche, mas a noite ainda guardava fortes emoções para o camisa 7 do Madrid:

Logo aos 36′, Cristiano recebeu lançamento e. disputando bola com Umtiti, caiu na área. Nada de pênalti, mas também nada que justificasse receber um amarelo por simulação. Somado ao outro cartão que tinha levado por tirar a camisa, o 7 foi erradamente expulso. Coroando uma péssima atuação do árbitro da partida.

Português deu o troco pela provocação de Lionel no clássico passado, mas o amarelo depois iria pesar.

O jogo ficou ainda mais quente e as discussões em campo aumentaram. O Barcelona tentava se aproveitar do baque da expulsão e chegar ao empate.

Alcácer foi colocado em campo no lugar de Rakitic para aumentar o poderio ofensivo – se é que ter Alcácer em campo aumenta o poder de ataque de alguém – a equipe blaugrana pressionava e o Madrid tentava aguentar a pressão e manter o placar. O jogo transbordava pressão. O que é péssimo para um jogador jovem em ascensão, correto?

Não para Marco Asensio.

Aos 45′ do segundo tempo, Suárez – outro em horrenda noite – errou um passe bobo no campo de defesa merengue e entregou a bola nos pés de Vásquez. O camisa 17 arrancou em contra-ataque e passou para Asensio perto do “bico” da grande área; ali, sem ser incomodado por Piqué – com medo de fazer falta e ser expulso, já que tinha levado bobo amarelo por botar a mão na bola em um escanteio de ataque do Barcelona – o camisa 20 mandou um chutaço no ângulo de direito de Stegen. Golaço da maior promessa espanhola da atualidade, o centésimo do Real no Camp Nou.

No placar, 3×1 Madrid.

Asensio: 3,5 milhões de Euros. A barganha do século para o Real Madrid (Foto: La Liga/Divulgação)

Apesar da vantagem, o título ainda não está decidido à favor do Madrid que sofreu para concluir à gol sem Cristiano e não terá o gajo para a partida de volta da Supercopa, na quarta-feira, já que o mesmo cumprirá suspensão pela expulsão.

O Barcelona começa a ligar o sinal amarelo para sua equipe.

O ataque, que carregou a equipe no ano passado, não mostra – nem mostrará – a mesma sustância com Deulofeu no lugar de Neymar. Suárez, dando continuidade a uma péssima pré-temporada pouco auxiliou o argentino Lionel Messi. Pelo visto, o brasileiro irá fazer falta…

Curiosidades da partida:

Zinedine Zidane se tornou o primeiro técnico do Real Madrid a conseguir ficar invicto nos 3 primeiros jogos contra o Barcelona no Camp Nou;

Cristiano Ronaldo tem mais gols no Camp Nou nos El Clásico do que Lionel Messi (11 do português contra 10 do argentino). Assim como o hermano tem mais gols pelo clássico no Santiago Bernabéu do que Cristiano (14 contra 7).

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Matheus Wesley

Matheus Wesley

Aspirante a jornalista e apaixonado por futebol onde se parlla e onde se habla. Fã de tática e da história desse esporte incrível. Considera Zizou a síntese do "jogo bonito" e acha os desarmes de Cannavaro, Baresi e Maldini uma obra-prima tão bela quanto qualquer gol. Twitter: @Matheus11Wesley



Related Articles

A janela do espanhol

Principais clubes espanhóis se movimentam no mercado e demonstram um pouco sobre suas novas filosofias Nesse meio tempo sem futebol

Tiki-Taka: a 1ª vez do Metropolitano

Uma nova história teve seu primeiro capítulo no sábado. Quanta emoção o Metropolitano reserva para o Atleti? (Foto: Divulgação/Atlético de

Não podemos nos esquecer de La Roja

Isco teve atuação mágica num palco em que já é acostumado a brilhar (Foto: Football HQs) Orquestrada pelo maestro Isco,

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido