A saída de Neymar

A saída de Neymar
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Garoto com camisa de Neymar observando a retirada da imagem de Neymar de propaganda do Barcelona (Imagem: Bleacher Report)

Brasileiro aceita exorbitante proposta do PSG e deixará o Barcelona

Durante as últimas semanas o mundo do futebol ficou em pavorosa com a possibilidade da saída de Neymar para o Paris Saint-Germain. Muitos duvidaram, outros tantos acreditaram. Fato é que Neymar já se despediu de seus – agora ex – companheiros e irá mesmo se transferir para o clube parisiense.

Apesar da revolta dos torcedores blaugranas, o casamento Neymar/Barcelona mostrou desde o início que tinha um prazo para acabar. O jogador brasileiro não demonstra – e nem demonstrava – ser do tipo que fica anos e anos no mesmo clube. E isso está longe de ser uma crítica, é uma opção de carreira totalmente válida. Estava visivelmente na cara que, dependendo dos rumos que o Barcelona – e Messi – tomassem, a saída do brasileiro seria bastante plausível.

Um dos motivos para sua saída é, provavelmente, deixar de estar à “sombra” do argentino Lionel Messi e isso era o esperado desde o início. Na época em que estava saindo do Santos para o Barcelona, em 2013,  muito se discutiu se o brasileiro não deveria ir para um clube menor onde seria o patrão e principal nome, mas muitos argumentavam dizendo que, ao jogar lado a lado com o argentino, Neymar evoluiria seu futebol na Europa sem – tanta – pressão e logo sucederia Messi como “o cara” do Barcelona assim que começasse o declínio do argentino – o que certos exagerados diziam que aconteceria num futuro próximo.

O upgrade no futebol de fato ocorreu. Auxiliado por Messi, Neymar elevou o patamar como jogador, se tornou um dos cinco melhores do mundo, conquistou os mais importantes títulos. Mas o tal declínio de Messi e a ascensão de Neymar como o principal do Barcelona não aconteceram. O atacante brasileiro parece ter se cansado de ser o número 2 por tanto tempo.

Lionel Messi é um dos melhores jogadores da história. Está ali, no mínimo, entre os três melhores. Estar na sua “sombra” não deveria ser um grande problema, mas para um atleta que é o principal de sua seleção e que sonha em ser um Bola de Ouro isso deve incomodar bastante. Nenhum grande jogador gostaria de ter seus feitos eclipsados por um companheiro de ataque – ainda que esse seja o melhor da história. Não importa o quanto Neymar tenha jogado até aqui, o argentino sempre esteve e estará acima.

 

Neymar olha para o seu futuro (Foto: Reprodução/Famosos na Web)

 

A prova disso é o ano de 2015 quando Neymar fez excelentes partidas no mata-mata da Champions League – vencida pelo time catalão – com direito a gol na final. E no fim do ano, num período de ausência de Lionel por lesão, o brasileiro chamou a responsabilidade para si e foi o patrão da equipe – chegando a fazer uma partida de gênio contra o Real Madrid na casa do rival. E mesmo com todo o bom desempenho na temporada, a Bola de Ouro passou longe de Neymar que ficou – novamente – atrás de Messi. E de Cristiano.

E diga-se, foi justo ficar atrás do argentino. O baixinho realmente jogou mais levando em conta o ano todo.

No PSG, Neymar será a principal estrela da companhia. Não terá ninguém para o eclipsar. Ostentará um status igual ou semelhante ao que tem na seleção brasileira. O Paris terá um ícone, um pilar para se apoiar e resolver os jogos – um game-winner – e evitar certos fenômenos paranormais como aquele 6×1 para o próprio Barcelona. Em suma, o PSG é o que mais quer Neymar , e Neymar é o que mais quer o PSG.

O craque brasileiro irá para uma liga menos competitiva, e para um time que não chega numa semi de UCL desde 1996. Mesmo jogando numa equipe em que é o patrão, a Bola de Ouro não será certeza a não ser que ganhe a UCL ou a Copa do Mundo – e mesmo assim dependendo muito, já que nos dois últimos anos de Copa o jogador eleito melhor do mundo não estava na equipe campeã. Sem contar que continuará tendo Cristiano Ronaldo e o mesmo Lionel Messi como rivais na disputa.

É de se questionar se não era melhor ter ido à Premier League, para um dos Manchesters onde poderia escolher ser treinado entre os dois melhores técnicos do século – Mourinho e Guardiola. Mas a legião brasileira no clube parisiense deve ter pesado na escolha.

Neymar se foi, agora gera a revolta culé. A La Liga perde um de seus ícones nos últimos anos e o Barcelona perde um de seus pilares no elenco. Agora é respeitar a decisão do brasileiro e aguardar as cenas dos próximos capítulos para ver se a mesma foi tomada corretamente.

 

 

 

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Matheus Wesley

Matheus Wesley

Aspirante a jornalista e apaixonado por futebol onde se parlla e onde se habla. Fã de tática e da história desse esporte incrível. Considera Zizou a síntese do "jogo bonito" e acha os desarmes de Cannavaro, Baresi e Maldini uma obra-prima tão bela quanto qualquer gol. Twitter: @Matheus11Wesley



Related Articles

O maior terror dos colchoneros

Foto: Real Madrid/ divulgação Real Madrid passeia em cima de um Atlético de Madrid apático, em noite iluminada de Cristiano

Tirando o atraso

“Para ser campeão, Real precisa apenas de si” (Foto: divulgação/Real Madrid) Real Madrid ganha em partida atrasada e ultrapassa Barcelona

A competição que mais habla na Europa

O chute do primeiro gol de Messi na instituição ambulante Buffon (Foto: Reuters) Times espanhóis tiveram boas estreias e carregam

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido