Uma noite de muitas falhas simultâneas

Uma noite de muitas falhas simultâneas

Martin teve uma noite para ser esquecida (foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

Defesa não funciona, ataque não engrena e Vasco acaba sofrendo uma expressiva goleada de 5×2 dentro de casa

O que falta ao Vasco?

Força de vontade não é, e isso pudemos comprovar nas últimas rodadas. O time tem adotado uma postura aguerrida, o que muito agrada ao torcedor, porém não é suficiente para ganhar um jogo. Treinador também não é: Milton Mendes é um comandante que, além de fazer o dever de casa, trabalha praticamente 24 horas por dia, seja estudando ou apenas acompanhando os outros times, além de não deixar a desejar em sua função. O que falta, então, ao Vasco?

No jogo contra o Corinthians, faltou defesa. Breno e Paulão não foram capazes de conter o ataque do time paulista; Martin Silva teve uma noite simplesmente horrorosa. A falha do uruguaio no segundo gol do adversário – quando ele saiu mal na área, foi driblado por Jô e conseguiu até mesmo a proeza de derrubar Paulão – foi medonha. O sistema defensivo do Vasco foi como uma mãe para o Corinthians na Colina, e os números do primeiro tempo comprovam isso: de três finalizações da equipe paulista, duas foram convertidas em gols.

Além das falhas defensivas, o Vasco demonstrou que precisa melhorar bastante a pontaria no ataque: assistir a todos os escanteios desperdiçados foi um teste de paciência para a torcida vascaína. O Vasco levantou 18 bolas na área só no primeiro tempo, e nenhuma delas encontrou as redes de Cássio. É claro que Luís Fabiano se redimiu de qualquer culpa quando, de forma meteórica, marcou dois gols em dois minutos na volta para a segunda etapa (iludindo muitos vascaínos que acompanhavam o jogo por todo o Brasil). Mas, de resto, todos fracassaram em suas tentativas.

Nenê saiu do banco e deu ao Fabuloso a chance de marcar o primeiro gol do que seria a reação do Vasco – que não aconteceu (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco.com.br)

Não foi um jogo de uma falha ou outra, foi um resultado composto por inúmeras delas. O Vasco não jogou tão mal e o Corinthians não foi tão soberano quanto o placar de 5×2 sugere: o time paulista apenas encontrou os espaços que o Vasco acabou cedendo de bobeira. O problema é que não adianta continuar “não jogando mal” e, mesmo assim, perder as partidas. É a terceira derrota do Vasco em cinco jogos, e a prova de que o trabalho de Milton não acabou, muito pelo contrário: só está começando. Rumo a mais 33 rodadas de pura emoção.

Raphaela Reis

Raphaela Reis

Estudante de publicidade, 19 anos, nascida e criada no Méier, subúrbio do Rio de Janeiro. Apaixonada por futebol e pelo Vasco desde criança, viciada em ler o caderno de esportes do jornal e desafiante oficial dos tios e primos no FIFA. Infelizmente não realizou a fantasia de se tornar a nova Marta, mas hoje busca nas palavras uma forma de se manter conectada ao mundo da bola.



Related Articles

Vitória com atuação consistente

Após muita espera, o Fabuloso finalmente marcou seu gol de número 400 (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco) Em jogo animado, Vasco

Empate Amargo

Os jogadores em volta do árbitro: Índio roubou a cena na partida (Foto:Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo) Clássico decidido com lances irregulares

Em Minas, não é só a taça que está em jogo

Após 2 anos, Cruzeiro e Atlético-MG voltam a se enfrentar pelo título estadual (Foto: Washington Alves/Cruzeiro) O título estadual coroará

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido