Empate morno, morno

Empate morno, morno

Bastante criticado, zagueiro Reginaldo marca o gol que garantiu o empate ao tricolor das Laranjeiras (Foto: Nelson Perez/Fluminense FC)

Tricolor sai atrás no placar, busca empate e fica com um jogador a mais desde a metade do segundo tempo. Apesar disso, time não joga bem o suficiente para sair vitorioso e deixa escapar a liderança do Brasileirão

Não foi dessa vez que o Fluminense  assumiu, ainda que de forma provisória, a liderança do Campeonato Brasileiro. Enfrentando o Atlético Paranaense do já conhecido Eduardo Baptista, o time encontrou dificuldades em furar o bloqueio e não conseguiu ser tão efetivo no ataque como de costume.

Primeiro tempo, tudo igual

Faltou o gesto mais desejado pela torcida tricolor! (Foto: Nelson Perez/Fluminense FC)

Os jogadores entraram em campo na noite desta terça-feira desgastados pela sequencia de jogos dos últimos dias. Visivelmente cansados, não demorou muito para o Furacão aproveitar. Logo aos 7 minutos da primeira etapa, o lateral ex-tricolor Jonathan cruzou rasteiro para Pablo aparecer e abrir o placar para os visitantes. Jogando pelo empate, o rubro-negro paranaense logo recuou e viu o tricolor das Laranjeiras tomar conta da partida.

Apesar do domínio, o gol de empate só saiu aos 32 minutos: em escanteio curto cobrado para Gustavo Scarpa, o camisa 10 – cada vez com mais ritmo de jogo – levantou na medida para o contestado Reginaldo cabecear muito bem no canto do goleiro Santos. Com exceção dos gols, poucas foram as chances criadas por ambos os lados.

Estratégias diferentes mas resultado igual

Voltando para o segundo tempo com uma proposta um pouco mais ofensiva, o Atlético-PR parecia não mais querer apenas se defender. Passou a criar mais jogadas no ataque, e teve a chance da partida já aos 51 minutos. Em contra-ataque rápido, Douglas Coutinho cavou a bola para Nikão. O atacante ainda tem tempo para cortar o jogador, mas não foi feliz na hora da conclusão e isolou a bola, para o alívio dos torcedores tricolores.

O Fluminense por sua vez continuou com a proposta de atacar e estava disposto a sair do Maracanã com a vitória. Porém, continuou a esbarrar no esquema defensivo atleticano e não teve sucesso em ser uma ameaça ao goleiro Santos. Com um jogador a mais desde os 36 minutos da etapa final, Abel Braga ainda tentou e colocou três atacantes – Pedro, Matheus Alessandro e Marcos Junior –, mas não foi o suficiente para conseguir os três pontos.

Um susto e tanto

Zagueiro Wanderson dá um tremendo susto a todos após ser acertado no rosto e cair desacordado (Foto: Hector Werlang)

Já na etapa final da partida, um lance deixou os próprios jogadores e a todos que assistiam ao jogo preocupados: após cruzamento na área, o zagueiro Paulo André desviou e Renato armou uma bicicleta que acertou em cheio o rosto de Wanderson. O choque foi tão forte que o jogador imediatamente caiu no campo desacordado e com um ferimento próximo à boca. Já tendo realizado as três substituições, o Atlético precisou ficar com 10 homens em campo até o final da partida. Depois de 7 minutos de paralisação, o zagueiro atleticano deixou o campo dentro da ambulância. Felizmente o jogador foi encaminhado ao hospital apenas para tratar do ferimento, consciente e sem nada mais grave.

A justiça precisa ser feita! A arbitragem no país está beirando a precariedade e por várias vezes demonstrei a minha indignação. Porém, quando o contrário acontece, não se pode passar desapercebido. O árbitro Igor Junio Benevenuto realizou uma ótima partida, principalmente no lance da lesão. O mineiro advertiu o lateral Renato por conta de sua displicência, porém, entendendo que não houve a intenção, aplicou o cartão amarelo e não o vermelho. Que atuações como essa não seja raridade no Brasil!

Desgaste físico faz a diferença e pedreira no sábado

Apesar do recente retrospecto negativo, o Palmeiras sempre será uma boa lembrança (Foto: Piervi Fonseca/AGIF/Folhapress/Veja)

Como dito ao longo do texto, o cansaço fez a diferença para Os Guerreiros na partida de ontem. Nem mesmo o nosso centroavante pôde ceifar mais uma vez. Brincadeiras à parte, os jogadores sentiram a sequencia de jogos. Em entrevista concedida após a partida, Abel Braga disse que é provável a possibilidade de alguns jogadores serem poupados para a partida de sábado contra o Palmeiras, que provavelmente fará o mesmo.

Após 8 vitórias em 9 jogos no Campeonato Brasileiro – inclusive a do título de 2012 –, o Fluminense não sabe o que é vencer do time paulista há 2 anos na competição, contabilizando 4 derrotas em 4 jogos. Além disso, o investimento descomunal somado à força de sua torcida tem tornado dificílimo arrancar pontos do atual campeão brasileiro em sua casa. Acostumado a realizar feitos beirando o impossível, o Time de Guerreiros precisa de muito para sair vitorioso.

Matheus Deccache

Matheus Deccache

Tentado ao lado (rubro)negro da força, não cedeu e se tornou tricolor. Tem um carinho especial pela bola redonda e oval. Durante muito tempo teve o sonho de se tornar um jogador de futebol e vestir a amarelinha. Mais tarde, passou a enxergar com clareza e utilizar as palavras para que todos entendessem sua paixão pelo mundo maravilhoso do esporte.



Related Articles

Os 90 anos de um templo do futebol brasileiro

O Caldeirão, palco de tantos triunfos (Foto: Marcelo Sadio/Flickr Vasco) Quase um século após ser erguido, São Januário ainda mantém

Um brinde ao futebol-raíz brasileiro

(Foto: Pedro Martins/MoWa Press) Seleção Brasileira dá show, é ovacionada pela torcida e é a primeira a garantir a vaga para

Para entrar na história

O meia Juninho reverencia a torcida do Novo Hamburgo, que anseia pelo título mais importante do clube (Foto: Alex Sabino/Folha

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido