Juventus x Real Madrid – Um duelo de gigantes

Juventus x Real Madrid – Um duelo de gigantes
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Final em Cardiff colocará frente a frente Juventus e Real Madrid, 19 anos após a última final entre os dois. (Imagem: Reprodução/Jornal Marca)

Final da UEFA Champions League, amanhã, em Cardiff, coloca frente a frente, dois dos maiores clubes da Europa: os Alvinegros de Turim e os Merengues de Madri.

Depois de uma intensa e exaustiva temporada, Blancos e Bianconeros se encararam em Cardiff. Mas o confronto não é inédito e tem muita história envolvida. Acompanhe com a RISE Esportes um “esquenta” para esse jogão:

Confrontos anteriores

Como dito, Juve x Madrid está longe de ser um confronto inédito na história das competições europeias: ao total foram 18 jogos entre os dois gigantes. Sempre na UCL ou na Copa dos Campeões (como era o nome da Champions até 1992). O retrospecto mostra equilíbrio, com 8 vitórias para cada e dois empates. Entretanto, em 6 vezes que se enfrentaram em jogos eliminatórios, o clube italiano eliminou o Real Madrid em 4, tendo também a vantagem nos gols feitos em geral nos confrontos: 21, contra 18 dos merengues.

O Real Madrid, apesar do número de eliminações, pode se gabar de ter ganho o que foi o jogo mais importante entre as duas equipes (até o jogo de sábado, pelo menos): a final da UCL de 1998. Naquele ano em questão, o time merengue não era dado como favorito e era pressionado por um jejum de 32 anos sem um título da Liga dos Campeões. Em jogo intenso e disputado a equipe espanhola venceu por 1×0 com gol de Mijatovic, após pegar sobra de chute mascado de Roberto Carlos. Curiosidade é que o atual técnico do Madrid, Zinedine Zidane, atuava pela equipe da Juventus naquela final.

Do lado da Juve, a partida mais celebrada é a de volta da semifinal de 2002-2003, onde após perder por 2×1 no jogo de ida no Bernabéu, chegou a sapecar 3×0 no celebrado time dos Galáticos, em partidaças de Del Piero e Nedved, autores de dois golaços cada – Trézéguet fez o outro. Zidane ainda cumpriria a lei do ex e diminuiria. Mas um atordoado Real não conseguiu fazer mais um e se classificar. Tão boa foi a atuação dos alvinegros de Turim, que a partida ficou conhecida como “la partita perfetta della Juventus”. Os bianconeri se classificaram para a final caseira contra o Milan, onde acabaram derrotados nos pênaltis.

Mijatovic tira de Peruzzi e dá o título da UCL de 98 para o Madrid.(Foto: UEFA)

As curiosidades se expressam através dos números:

Vitórias: Real Madrid e Juventus com 8 cada

Mais vitórias em casa: Juventus com 6

Mais vitórias fora: Juventus com 2

Mais vitórias em campo neutro: Real Madrid com 2

Maiores artilheiros: Cristiano Ronaldo e Del Piero com 5 gols, em 4 e 9 jogos respectivamente

O caminho até aqui

O Real Madrid teve uma trilha complicada até a final: conseguiu fazer 5 a 1 no Legia Varsóvia, mesmo tendo tomado sufoco; empatou com o mesmo em 3×3 em jogo de portões fechados na Polônia; venceu duas vezes o Sporting de forma apertada, com o jogo no Bernabéu sendo vencido com os dois gols merengues após os 90′ e empatou duas vezes com o Borussia Dortmund em 2×2. Ficou na segunda colocação do Grupo F com 12 pontos, fazendo 12 gols e sofrendo 10.

Classificado em segundo lugar, pegou o Napoli de Hamsik e Mertens e venceu os dois jogos por 3×1, tendo saído atrás e com a sua classificação ameaçada em alguns momentos dos confrontos. Com o ritmo de jogo oscilando, muitos deram os merengues como desclassificados frente ao Bayern, nas quartas. Com 11 títulos na bagagem e Cristiano Ronaldo ressurgindo das cinzas, com 5 gols nos dois confrontos – e o gajo só tinha feito 2 nos 8 jogos anteriores – o Madrid ganhou de 2×1 em Munique e por 4×2 no Bernabéu. Nas semis, o destino reservava o quarto encontro seguido entre os madridistas e o Atlético de Madrid. Mas o português, de novo, resolveu marcar um hat-trick e praticamente classificar o Real já na ida. No jogo de volta, os colchoneros até chegaram a assustar marcando dois gols nos 15 primeiros minutos, mas Isco diminuiu e a derrota de 2×1 classificou los blancos.

Diferentemente do Real Madrid, a Velha Senhora não viveu anos tão mágicos nas últimas edições da Champions League, apesar do domínio local. Antes da decisão em 2014/15 contra o Barcelona, a equipe italiana cambaleou. Foi eliminada até mesmo na fase de grupos; outras vezes nas oitavas. Quando ia longe, chegava às quartas. Aquela partida contra a equipe culé foi a amostra de que a Juventus ainda é uma força importante no cenário europeu. O único problema da equipe que tinha nomes como Pirlo, Tevez e o jovem Pogba foi enfrentar a equipe espanhola com o trio Messi, Suárez e Neymar no auge da forma técnica.

Os destaques

Além de Ronaldo, Real Madrid tem seus dois laterais como principais destaques.(Foto: Diário AS)

Natural que, quando se pense em Real Madrid, o que se vem a mente entre os grandes destaques é Cristiano Ronaldo, e o gajo faz por merecer isso: dos 32 gols do Real Madrid nessa Champions, participou de 15 deles( 10 gols e 5 assist.) mas outros dois jogadores merengues merecem ser destacados, e ambos jogam nas laterais: Carvajal e Marcelo. Num time que usa muito as jogadas pelos lados, os dois laterais se sobressaíram mostrando fôlego invejável e alto volume ofensivo. O espanhol, inclusive, é o 4º maior assistente dessa UCL com 4 passes para gol.

Enquanto isso, a Juve aposta em seu trunfo: a identidade. O futebol cada vez mais globalizado fez com que a maioria das grandes equipes europeias tenham perdido um “registro nacional”, mas esse não foi o caso da maior campeã da Itália. Mesmo com jogadores de diferentes nacionalidades no setor ofensivo, o “trio BBC” (Bonucci, Barzagli e Chiellini) e o goleiro Buffon formam uma base extremamente sólida na defesa, o que dá ao resto da equipe para atacar. Mais do que isso: dá também a cara aguerrida e lutadora que clubes italianos sempre tiveram.

Prévia da Final

A Juventus possui a melhor defesa dessa Champions League; Buffon, Bonucci, Chiellini e os brasileiros Alex Sandro e Daniel Alves formam o que talvez seja, atualmente, o melhor sistema defensivo do mundo. O Real Madrid possui o melhor ataque com Cristiano, Benzema e, agora, Isco sendo motivos de dor de cabeça para qualquer defesa. Mas os times não se resumem só a isso, contando com excelentes meios de campo: Pjanic, Khedira, Cuadrado e Mandzukic do lado bianconero e Casemiro, Modric, Kroos e Isco do lado blanco.

Com tanto equilíbrio em cada um dos setores, as disputas territoriais vão ser a toada da partida, com Cuadrado e Dani Alves tentando aproveitar os espaços nas costas de Marcelo e o camisa 12 tentando empurrar os dois adversários para seu campo de defesa. No meio, a disputa vai ser para ver quem conseguirá controlar o setor e ditar o ritmo da partida, com Modric de um lado e Pjanic de outro. Chiellini contra Ronaldo vai ser outra disputa que merecerá atenção. O jogo será disputado e intenso, e com aquela tensão digna das grandes finais.

Esses dois causaram problemas no lado esquerdo do Madrid.(Imagem: Sky Sports)

Tentando sair um pouco mais do muro nos prognósticos para a partida, é importante considerar alguns fatores: a Juventus, nesse mata-mata da UCL só levou um gol, de Mbappé no jogo de volta em Mônaco, não sendo vazado nem mesmo pelo poderoso trio Messi-Suárez-Neymar. O Real Madrid só não foi vazado em uma partida no mata-mata – e mesmo contando a Champions toda – o jogo contra o Atlético no Bernabéu. Ou seja: é muito difícil fazer gol na Juventus, enquanto é pouco complicado fazer gol no Madrid. Um gol bianconero é quase certo de acontecer. Além disso em 6 dos 12 jogos do time espanhol na competição, os madridistas começaram perdendo. Além de ter grandes chances de fazer gol, os juventinos ainda o farão primeiro muito provavelmente.

Entretanto, a Juventus abrir o marcador não lhe dá tantas certezas de vitória assim, já que em 5 dessas partidas os comandados de Zinedine Zidane viraram o marcador. A exceção foi o jogo de volta contra o Atlético onde, todavia, mesmo a derrota os classificava. A Juventus provavelmente inaugurará o marcador, mas também são existentes as chances de uma “remontada” merengue.

Contudo, a Juventus vai à final invicta e, como os números defensivos mostram, é difícil demais fazer gol e vencer os Bianconeri. Se trata de um time com uma concentração absurda, que beira o perfeccionismo. Apesar de ser algo recorrente, virar uma partida para cima de Buffon e sua trupe pode ser missão quase impossível para os merengues.

Falando em Buffon, o goleiro vai tentar pela terceira vez erguer a “orelhuda”. Após fazer grande partida mesmo saindo derrotado em 2015 para o Barcelona, o goleirão certamente reserva uma atuação tão ou mais destacada quanto aquela.

Mas sair da final com um clean sheet pode ser meta difícil para o goleiro, já que Cristiano Ronaldo é um de seus maiores carrascos – a nível de média de gols pelo menos – em 4 jogos em que se enfrentaram por clubes, 5 gols marcou o português. Marcando em cada uma das partidas. Pela média de gol nos encontros, é possível se esperar pelo menos um do gajo.

Contra o talvez melhor goleiro de todos os tempos, Cristiano Ronaldo nunca ficou sem marcar.(Imagem: Max Rossi/Agência Reuters)

Porém Ronaldo tem outro retrospecto curioso que pode despreocupar um pouco os Bianconeri: o português também já chegou a uma final consecutivamente após ganhar outra nos seus tempos de Manchester United, e pouco fez na derrota por dois a zero dos Red Devils para o Barcelona de Messi e Guardiola.

Retrospecto excelente em finais tem mesmo é o capitão merengue Sérgio Ramos: nas duas últimas finais europeias do Madrid, dois gols. Um empatando um jogo que parecia derrota certa aos 93′ e outro abrindo o marcador. Duas taças levadas para Cibeles. Ramos gosta de aprontar em jogos decisivos e, não é improvável que queira aprontar nessa final. De novo.

Fora isso, em um jogo que se promete disputado e intenso desde o primeiro minuto, uma mudança pode ser decisiva para os rumos da partida. E aí é preciso se constatar um fato: o Real Madrid possui um elenco com maior leque de opções, com um banco mais preparado e com mais alternativas para determinadas situações de jogo. Não é todo time que se dá ao luxo de ter Morata, James e Bale – ou Isco – entre os suplentes.

Outro fator, é que a equipe italiana chega um pouco mais pressionada para o confronto. Maior vice da Champions – com 6 finais perdidas – o clube não ganha uma UCL há 21 anos, quando Del Piero, Ravanelli, Vialli e cia. venceram o Ajax nos pênaltis. A título de comparação, enquanto a Juve tem 25% de aproveitamento em finais da competição, o Madrid tem 78,6%. Porém, o Real Madrid tentará fazer esse ano algo que não consegue desde a temporada 1957-1958: fazer uma dobradinha com o título espanhol e a Liga dos Campeões.

Um ponto que também deve ser citado, ainda que também não signifique nada a rigor, é que, apesar do time bianconero ter eliminado mais vezes o Madrid, isso se deveu muito ao fator casa da equipe italiana – e da histórica dificuldade merengue em jogar em campos italianos – nas duas vezes em que se enfrentaram em jogos em locais neutros a vitória foi madridista: 3×1 no Parc des Princes na França em 1962 pelo jogo-desempate das quartas de finais da Copa dos Campeões e 1×0 na Amsterdam Arena em 1998 na final daquela edição.

Em finais de Liga dos Campeões, o aproveitamento dos merengues é muito superior aos dos bianconeri.(Imagem: UEFA)

Levando em conta todos esses dados importantes (e os nem tão importantw), se fosse tentar prever um cenário dessa final, seria este: Juventus abre o marcador com, Higuaín fazendo valer a lei do ex, e espantando momentaneamente sua urucubaca em finais. No segundo tempo, o Madrid empata com outro gol em finais de Ramos. A partida é igual e os dois times vão para a prorrogação, nela Cristiano Ronaldo faz seu 6º gol em Buffon e sela o título merengue. Suposições, apenas.

Melhor do que supor, é estar em frente à TV (ou tablet, ou PC, ou celular ou o famoso radinho de pilha, o importante é ver!) para assistir esse jogão de bola entre dois grandiosos times numa imperdível final. Até lá!

 


Matheus Wesley

Aspirante a jornalista e apaixonado por futebol onde se parlla e onde se habla. Fã de tática e da história desse esporte incrível. Considera Zizou a síntese do “jogo bonito” e acha os desarmes de Cannavaro, Baresi e Maldini uma obra-prima tão bela quanto qualquer gol. Twitter: @Matheus11Wesley

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Breno Peçanha

Breno Peçanha

Natural de São Gonçalo, estudante de jornalismo na UFF e estagiário do Globoesporte.com. Vascaíno fanático e torcedor do Leeds United em solo europeu, além de simpatizar com o St. Pauli na Alemanha. Uma das coisas que mais gosto é ler e contar histórias do futebol que pouca gente conhece, especialmente se der para colocar humor. Introvertido, apesar de tudo.



Related Articles

Não podemos nos esquecer de La Roja

Isco teve atuação mágica num palco em que já é acostumado a brilhar (Foto: Football HQs) Orquestrada pelo maestro Isco,

Supercopa de España: São tantas emoções

Noite inesquecível para CR7: sete minutos em campo; um golaço e uma expulsão (Foto: Divulgação/Sqawka -Twitter) Golaços, expulsões e polêmicas

Sete atos em Munique: Como o Bayern sucumbiu diante da inteligência do Real Madrid de Zidane

Foto: Sven Hoppe (AP) A equipe bávara começou melhor e teve a chance de matar o confronto na ida, mas

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido