Volta logo, Premier!

Volta logo, Premier!
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

A festa do incontestável campeão Chelsea (Foto: Reprodução/Premier League)

Veja como foi a última rodada da Premier League, que, com jogos na briga pela vaga na UEFA Champions League, encerrou como já era esperado.

Como saiu no último post sobre a Premier League, dos 10 jogos que as rodadas naturalmente reservam para nós, na última delas, nesse domingo às 11h, apenas 3 deles realmente nos prenderiam na frente da TV para acompanhar o que aconteceria. E entre eles, um ponto em comum: a disputa pela vaga na Champions League do próximo ano.

Na briga, três das principais equipes do país brigavam por duas vagas ainda disponíveis na tabela, medindo forças com times que, abaixo na classificação e sem ambições, não ofereceriam grande resistência: Manchester City (3º), Liverpool (4º) e Arsenal (5º) duelaram com Watford, Middlesborough e Everton, respectivamente.

Jogo 1: O baile azul – Watford 0 x 5 Manchester City

Acachapante. Humilhante. Avassaladora. Chame como quiser a goleada do Manchester City, fora de casa, contra o Watford.

Logo aos 4 minutos, De Bruyne, em mais uma assistência dentre as suas muitas na temporada, botou a bola na cabeça de Kompany, em cobrança de escanteio. O capitão belga subiu sozinho e estufou a rede do goleiro brasileiro Gomes. Aos 23, o segundo: De Bruyne, de novo, mais uma assistência. Dessa vez, no pé de Kun Aguero. Um chute cruzado na saída do arqueiro. Com pouco mais de 20 minutos, já estava 2 a 0.

Aguero comemorando seu segundo gol, o terceiro do City (Foto: Reprodução/Premier League)

O Watford ainda tentava uma ou outra jogada para evitar o chocolate, mas oferecendo muito espaço atrás, o que era inevitável, foi piorando. Aos 36, em belo passe de David Silva, Sané achou Aguero, livre. Mais uma vez balançou a rede. Mais um gol azul. Aos 41, quando o Watford conseguiu trocar meia dúzia de passes sem se sentir acuado, Fernandinho tratou de balançar a rede, na bochecha dela, e marcar o quarto. Com 4 a 0, antes da virada do intervalo, os Citizens já podiam dizer que estavam na Champions do próximo ano.

Mas alguém ainda estava em falta nesse jogo, considerando o alto nível demonstrado até agora, aumentando também a exigência: Gabriel Jesus. E não é que o camisa 9 da seleção de Tite deixou o dele? Aos 13 da segunda etapa, depois de ganhar no pé de ferro, a bola saiu um pouquinho do chão, o suficiente para tirar de Gomes e botar o quinto no placar. Tudo isso sem considerar as chances incríveis perdidas por Aguero, primeiro aos 11, sem goleiro, e depois aos 19, com defesaça do arqueiro brasileiro do Watford.

Só o artilheiro do hexa mordendo o escudo do City (Foto: Reprodução/Premier League)

CINCO A ZERO para o City. Vaga e terceira posição garantidas. Festa de Guardiola e seus comandados, para não dizer que a temporada foi uma catástrofe.

Jogo 2: O adeus? – Liverpool 3 x 0 Middlesbrough

Pobre Boro! Já enterrado com pá de cal e a sete palmos da terra, o Middlesbrough ainda teve que ir até Anfield enfrentar os Reds, sedentos de vitória, no provável adeus de Philippe Coutinho.

O jogo, diferente da partida do City, começou truncado. O Boro, apertando na marcação, viu um Liverpool precisando da vitória a qualquer custo, se enrolar no começo. Com um elenco muito melhor, ainda assim, o time de Klopp chegava com perigo. Aos 5, Clyne cruzou, mas Lallana jogou ela para fora, perdendo uma boa oportunidade. Aos 30, depois de um longo tempo sem assustar, Coutinho rabiscou a zaga e bateu cruzado. A bola fez sombra na trave, mas do lado de fora, mais uma vez.

Ufa, Wijnaldum! Acabou o sufoco e a vitória veio (Foto: Reprodução/Premier League)

Então, aos 45, depois de tanto pressionar, foi a vez de Wijnaldum tentar. Dessa vez, com sucesso, o holandês fuzilou no canto alto do goleiro Guzan. Chute reto, certeiro. Um a zero. Era a superioridade vendo o nervosismo da necessidade de vencer indo embora. E, como dizem os mais antigos: “passou um boi, passa uma boiada”. Ditado perfeito para o momento vermelho no jogo.

Começo de segundo tempo. Primeira chance clara. Onde a bola foi parar? Dentro da rede. Aos 5, nos pés de Coutinho, cobrança de falta e 2 a 0 para o Liverpool, no canto do goleiro Guzan, que depois de dar um passo para o lado, não conseguiu voltar. Chance seguinte, aos 10. E a bola? Dentro da rede. De novo. Dessa vez, Wijnaldum foi garçom e Lallana tratou de botar a redonda no barbante. Com 3 a 0, o Boro, entregue e sem vontade alguma, viu o Liverpool tirar o pé do acelerador e chegar vez ou outra, como com Firmino, aos 21, e com Sturridge, aos 27.

Era Coutinho perto do fim em Liverpool (Foto: Reprodução/Premier League)

Festa de Klopp, festa em Anfield. “You’ll never walk alone” cantava a torcida e vaga na Champions assegurada. Já em Londres…

Jogo 3: Vai embora logo, Wenger! – Arsenal 3 x 1 Everton

O Everton estava extremamente animado para a partida.

Seria lindo ler essa primeira frase, se não fosse ela, uma ironia. O Arsenal, correndo por fora, apesar da vontade, morreu na praia. E Arsène Wenger, técnico francês, atestou em mais uma temporada, que é hora de dar tchau (alô, Teletubbies!)

Sem qualquer ganância dos Toffees, o primeiro tento vermelho e branco foi logo aos 8: Welbeck, de assistente, muito sem querer, depois de ter perdido gol feito sem goleiro, serviu Bellerín. Com grandes chances de sair para o Barcelona e virar parça de Neymar, o lateral espanhol bateu, também com o gol vazio, para abrir a contagem.

Koscielny e cartão vermelho no mesmo plano: mais do que merecido (Foto: Reprodução/Premier League)

Tudo correndo bem para o Arsenal. Liverpool até então empatando, dava para chegar. Mas Koscielny, zagueirão francês, resolveu dar emoção ao jogo. Entrada tosca e extremamente sem noção em cima de Enner Valencia. Expulsão direta, sem qualquer dúvida.

Com um a menos, a tendência era piorar o lado dos Gunners. Mas o desinteresse era tanto, que aos 27, Alexis Sanchez, mesmo estando do lado com 10 jogadores, em jogada de treino, recebeu um passe sozinho, dentro da pequena área para fazer o segundo.

Proavelmente sabendo do resultado em Anfield, o Arsenal que já estava praticamente sem qualquer vontade, abriu mão de vez. Aos 12 minutos, Monreal, em jogada de vôlei, tentou matar a bola de peito e bateu com o braço nela. Pênalti para os azuis, conferido por Lukaku. Com 2 a 1, a partida tem tudo para melhorar, certo? Errado.

Joga a luva, goleirão! Golaço de Ramsey! (Foto: Reprodução/Premier League)

Exceto por alguns lances de pouco perigo para a meta de Petr Cech, o Arsenal mesmo com um a menos foi quem chegou com mais intensidade ao ataque. Para finalizar a conta, então, veio o golaço: em belíssima jogada de Ozil, que limpou dois defensores, serviu Ramsey. Ao receber a redonda, o galês botou ela com a mão, no ângulo, onde a coruja dorme. Com 46 no cronômetro, qualquer chance de empate azul foi para o ralo. Mas, infelizmente para o Arsenal, as chances de Champions também, dadas as vitórias de Liverpool e City. É solução, então, se contentar com Europa League.

Fim da era Wenger? Não se sabe. Mas uma coisa é certa: já passou da hora de deixar de ser o time do quase.

Five O’Clock Tea (Chá das 5) – Resumão da Última Rodada (SÓ CHOCOLATE!)

Hull City 1 x 7 Tottenham: “E lá vem mais! A bola tocada, virou passeio”. Não era a Alemanha. Kane e sua trupe, para fechar a temporada com chave de ouro, enfiaram um Mineraço chocolate histórico no Hull. O próprio Kane (3), Alli, Wanyama, Davies e Alderweireld marcam os gols da humilhação. O do Hull foi feito por Clucas.

Chelsea 5 x 1 Sunderland: mais um chocolate, em mais um rebaixado. O Chelsea, por sua vez, foi mais humilde. Com um simples 5 a 1, despachou logo de vez o Sunderland para a segundona. Manquillo até abriu o placar para o visitantes, mas William, Hazard, Pedro e Batshuayi (2), aniquilaram o pobre lanterninha da liga

THE END!

Foi o fim da temporada do campeonato mais charmoso do Velho Continente. Com o título do Chelsea, a Premier League se despede do ano de 2016/2017 com bons jogos no currículo e mais boas histórias para contar.

Os classificados para a Champions são: Chelsea (Campeão), Tottenham (Vice), Manchester City (3º) e Liverpool (4º)

Classificado para a Europa League: Arsenal (5º)

Rebaixados: Hull City (18º), Middlesbrough (19º) e Sunderland (20º)

Promovidos:

  • Newcastle (Campeão da Championship)
  • Brighton (Vice)
  • Vaga do campeão dos Playoffs (disputa em semifinais e final entre 3º, 4º, 5º e 6º colocados); a ser disputada dia 29/05, a final será entre Huddersfield (5º), que eliminou o Sheffield Wednesday (4º), contra o Reading (3º), que eliminou o Fulham (6º)

A RISE Esportes, mesmo na off season, vai acompanhar a movimentação do mercado e tudo a respeito do que virá para a próxima temporada da Premier League. Enquanto isso, só nos resta esperar que ela comece logo!

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Guilherme Porto

Guilherme Porto

Algo entre o famoso soccer e o lacrosse universitário da Irlanda do Norte me interessam. A paixão por esportes (lê-se quase todos), acompanhada de uma boa resenha e uma cerveja gelada me encantam bastante. E, apesar de não podermos beber aqui, o resto garanto passar com agilidade e muita informação.



Related Articles

Quando foi que o mercado enlouqueceu?

Mendy foi um dos jogadores mais caros da janela de verão na Premier League (Foto: Divulgação/Independent) Com transações estratosféricas, o

“Chelsea é o nome. Azul é a cor”

Merecidamente jogado para o alto: Conte foi a mudança que o Chelsea precisava para levantar o caneco (Foto: Premier League)

Premier League – Rodada 33

O belíssimo White Hart Lane serviu de palco para mais um chocolate do vice-líder Tottenham, que ainda sonha com o

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido