Oi Rio Pro: quem manda aqui somos nós

Oi Rio Pro: quem manda aqui somos nós
FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare

Mineirinho fazendo a sua segunda coisa preferida (Foto: WSL/Damien Poullenot).

Mineirinho, após campanha insuperável, leva o título do Oi Rio Pro, etapa brasileira do circuito mundial de surf, em Saquarema

Alguém esperava menos de Saquarema? O último dia nas esquerdas da Praia de Itaúna pelo Oi Rio Pro reservava uma série de espetáculos: tanto no mar, quanto na areia. A participação do público brasileiro, mais uma vez, ganhou destaque. A paixão da torcida levou Wiggolly Dantas e Gabriel Medina mais longe do que tinham ido na temporada, os gritos vindos das areias impulsionaram Yago Dora e levantaram Adriano de Souza até o topo.

O último dia foi longo e curto. Foi terrível e maravilhoso. O mar estava muito mexido, e então, lindamente desafiador.

Os destaques do quinto round

O experiente Joel Parkinson soube com induzir Wiggolly Dantas a usar sua prioridade em uma onda ruim. Levou o primeiro heat após uma nota 9.33 de um tubo limpo, que se sobressaiu às duas rasgadas não tão boas na sequência da seção – e a finalização com um excelente floater que definiu sua vaga nas quartas de final do Oi Rio Pro contra Adriano de Souza, o Mineirinho.

yago dora rio pro

A especialidade de Yago Dora (Foto: WSL/Damien Poullenot).

Yago Dora e Gabriel Medina fizeram o heat mais aguardado do quinto round. Yago saiu na frente, mas logo Medina o superou. Cada seção disputadíssima. Saber escolher as ondas com o mar mexido era uma tarefa crucial para qualquer resultado que estivessem buscando. Após algumas mudanças de prioridade e liderança, faltando poucos segundos para o fim do heat, Medina voou muito alto, não usou as mãos em um aéreo super bem equilibrado e finalizou bem: o suficiente para avançar às quartas de final.

Mas o impossível tende a acontecer no surf.

O meteoro que foi a chegada de Yago Dora em um aéreo reverso no limite do tempo mostra bem o posicionamento dele na etapa: monstruoso.

Os competidores saíram do mar em um clima amistoso, claramente gratos pelo espetáculo que deram em Itaúna. O público estava ensandecido e os atletas brasileiros já estavam na areia aguardando pelas notas finais. Todos pareciam compartilhar o mesmo sentimento: a euforia de fazer parte do show. E então Medina recebeu a sua pontuação, um 7.73, assumindo a liderança. Porém, logo em seguida, Yago recebe seu 8.17. O wildcard chegou rasgando tudo em Saquarema e a tarefa de derrotar mais um campeão mundial na etapa seguinte parecia quase rotineira.

As quartas de final

Mineirinho já vinha mostrando tudo o que tinha para levar o título brasileiro do CT. Amassou Joel Parkinson com 7.50 de diferença​. O desempenho do champ de 2015, que está sempre entre os melhores do campeonato, vem crescendo mais a cada etapa. Adriano está querendo descobrir o que há depois do campeonato mundial. Outro título? Está cada vez mais fácil dizer que sim.

Mick Fanning vs. Yago Dora, o devorador de gigantes. O resultado apertado entregou a vaga na semi ao brasileiro. Depois de John John Florence e Gabriel Medina, o wildcard quebrou o detentor de três títulos mundiais, somando cinco para sua coleção de títulos devorados.

O australiano Adrian Buchan se lançou contra o segundo colocado do ranking, Jordy Smith, e venceu o sul-africano por 2.90 pontos de diferença.

Matt Wilkinson e Owen Wright disputaram um heat equilibrado. O que determinou a vitória foi a inspiração de Wilko, ao somar duas ondas de quase 9 pontos.

Um gigante grande demais

O gigante que Yago Dora não conseguiu superar foi aquele que cresceu demais nessa temporada. O wildcard já estava preparado para fazer a sua cama e deitar na final, mas foi parado por Mineirinho na semi. O garoto até abriu a boca, mas Mineirinho estava grande demais para ser devorado.

Ace bateu Wilko com 5.37 de diferença e garantiu a disputa na final contra Mineirinho.

A grande final do Oi Rio Pro: o Maracanã do surf

O brasileiro entrou com a vantagem dos excelentes resultados alcançados e o histórico do qual o mundo todo é testemunha. Ser campeão em casa tem peso dobrado. Naquela altura do campeonato, a multidão na areia já sabia o que iria acontecer, mas faltava a confirmação.

adriano de souza final rio pro

Mineirinho fazendo o que mais gosta no mundo (Foto: Cestari/ WSL)

Mineirinho, aquele que não decepciona. Estava grande demais para se surpreender com o jovem Dora.

Ace Buchan soube.

Ah, ele soube.

Antes mesmo de entrar na água, Buchan sabia que precisava de um daqueles milagres que o esporte proporciona para vencer: Mineirinho estava em casa, inspirado, com a torcida o empurrando no grito e montado no seu incrível histórico na elite.

Em 2015 Adriano foi o melhor. E hoje ele comemorou como se fosse 2015, como se fosse o Mundial, como se fosse o campeão.

E foi.

E é.

 

 

 

 

FacebookTwitterFacebook MessengerWhatsAppShare
Izabelle Souza

Izabelle Souza

Estudante de Publicidade, 20 anos, nascida e criada entre Niterói e São Gonçalo. A criança que queria correr na F1, mas acabou nadando até chegar na praia. E ainda bem que chegou! Da areia, não conseguiu evitar se apaixonar pelo surf. Da vida, não foi capaz de separar o trabalho do esporte.



Related Articles

Billabong Pro Tahiti: Medina não passa por Julian Wilson

Julian comemora sua performance no Tahiti (Foto: Miller/Divulgação). Em mais um encontro, o australiano marca sua terceira vitória sobre o

Quiksilver Pro: a volta de Owen Wright

O campeão de Snapper Rocks (Foto: Kirstin Scholtz / WSL) O australiano triunfou sobre o conterrâneo Matt Wilkinson no Quiksilver Pro,

Rip Curl Pro Bells Beach: Filipinho gabarita no 1º round e Medina e Mineirinho também avançam

Filipe Toledo dominando Bells Beach (Foto: Divulgação/WSL) O brasileiro voa e garante destaque com performance incrível e nota 10 dos juízes.

No comments

Write a comment
No Comments Yet! You can be first to comment this post!

Write a Comment

Your e-mail address will not be published.
Required fields are marked*

error: Couteúdo protegido